Trenzinho e pedalinho podem voltar à Redenção ainda este ano; retomada inviabiliza reabertura do Café do Lago - Notícias

Versão mobile

 
 

Diversão no parque04/10/2021 | 11h08Atualizada em 04/10/2021 | 11h09

Trenzinho e pedalinho podem voltar à Redenção ainda este ano; retomada inviabiliza reabertura do Café do Lago

Espaço também deve sediar um complexo gastronômico até 2022 no local onde ficava o orquidário

Trenzinho e pedalinho podem voltar à Redenção ainda este ano; retomada inviabiliza reabertura do Café do Lago Ronaldo Bernardi / Agencia RBS/Agencia RBS
Embarcadouro dos pedalinhos ficará onde antes funcionava o Café do Lago Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS / Agencia RBS
Homero Pivotto Jr.

Atrações tradicionais e atualmente inativas no Parque Farroupilha (Redenção) devem ser retomadas em breve: os pedalinhos e o trenzinho, bem como uma área com opções de alimentação. As empresas vencedoras da licitação que permite a exploração dos serviços foram definidas em julho. A Sólidos Equipamentos Infantis fica responsável pelos passeios, e a Ioiô Casa de Festas Infantis, pelo complexo gastronômico, que deve funcionar com contêineres onde antes havia o orquidário.

Segundo a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade (Smamus), trâmites internos estão em andamento para que seja dada a ordem de início dos trabalhos. A expectativa, segundo o secretário da pasta, Germano Bremm, é que isso ocorra ainda em outubro. Estima-se que os passeios sejam retomados este ano. Já a parte dos restaurantes — que demanda obras — deve ficar para 2022. 

— Estamos com esses ritos internos, de formalização e permissões de uso. A partir dessas liberações, as empresas podem fazer as intervenções. Pedalinho e trenzinho, como são estruturas prontas, é possível que estejam disponíveis em cerca de 30 dias depois da ordem de serviço. Já o complexo gastronômico, que requer obras, prevê até seis meses de intervenções — explica o titular da Smamus. 

Isabel Cristina Ferraz Sokolnik, sócia da empresa Sólidos, tem previsão um pouco diferente. Segundo ela, ficou acertado que, no primeiro momento, se trabalhará as questões ligadas aos pedalinhos, que exigem algumas reformas estruturais. Contando que a ordem para início dos trabalhos seja dada nesta semana, ela espera estar com a atração funcionando até o fim de novembro. 

— Vamos construir um píer de madeira autoclavada, com ambientação e bancos — afirma Isabel.

Ela complementa que foram adquiridas 36 pequenas embarcações, todas de força motriz (pedal) — a prefeitura havia permitido também as elétricas —, construídas em fibra de vidro. O investimento nessa primeira etapa para a atração do lago está estimado em R$ 300 mil. A previsão é de que o ingresso custe R$ 30 para duas pessoas, com direito a 20 minutos de passeio.

Montante de mesmo valor deve ser despendido para o Trenzinho, composto por uma caminhonete movida por biocombustível transformada em locomotiva e dois vagões com capacidade para 20 pessoas cada. Ainda não há previsão para o preço do ingresso.

O pedalinho terá seu embarcadouro onde antes funcionava o Café do Lago, e o trenzinho ficará com a bilheteria no postinho da Redenção, localizado junto ao estacionamento.

Já o complexo gastronômico tem sua localização entre o espelho d'água e o lago, e deve abrigar quatro módulos de contêineres de 29,30m² (destinados a empreendimentos gastronômicos) e um módulo de contêiner de 14,65m², com sanitário. A estrutura também prevê um pergolado de 6 x 2,50 metros e um pátio de serviço de 128m², ocupando área externa total de 750m², para atendimento ao ar livre com mesas, cadeiras e guarda-sóis. A Redenção não conta com um restaurante desde 2014, quando foi fechado o Café do Lago. Com o uso do embarcadouro no local, uma reabertura do Café do Lago ali se torna inviável.

Pedro Santarem, sócio da empresa Ioiô Pedro Santarem, diz que a empresa está fazendo o que é possível no momento. 

— Não podemos ficar parados, esperando a parte burocrática. Estamos, em paralelo, construindo o plano comercial. O espaço deve ter cafeteria ou cantina, comida saudável, algo de doce, bebidas, mas nada está acertado. As marcas nos procuram, mas temos de aguardar a aprovação da parte arquitetônica e outros detalhes — pontua Santarem.

A  Sólidos Equipamentos Infantis, que é permissionária ainda do Parquinho da Redenção, deve pagar uma outorga de R$ 15,2 mil relativa aos pedalinhos e ao trenzinho, e a Ioiô Casa de Festas Infantis vai desembolar R$ 20 mil para operar o complexo gastronômico. 

Está previsto, ainda, um aluguel de R$ 4,8 mil a ser pago por cada uma das empresas. O valor será cobrado somente após as atividades comerciais terem começado. Segundo o secretário Germano Bremm, esse valor, ou parte dele, pode ser revertido em melhorias necessárias para a área, conforme necessidade e negociação com a Smamus.

— Está prevista, em contrato, essa contrapartida — destaca Bremm.

Histórico das atrações

Pedalinhos
Conforme a prefeitura, o brinquedo funcionou de 2004 até 2019. Em 2018, o contrato venceu. Houve tentativas de acordo entre o Executivo e a empresa que operava o serviço, mas não evoluíram, e os barcos foram retirados do lago em 2019.

Trenzinho
Antigamente, o trenzinho era rebocado por um trator, mas a prefeitura não soube informar quando a atividade foi iniciada. Em 2007, a composição foi desativada porque a permissionária não estaria cumprindo algumas exigências. Em 2011, foram feitos alguns testes com um novo veículo, mais ecológico, mas a operação foi retomada somente em 2015. O serviço foi desativado em 2018.


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros