Magali Moraes: no seu tempo - Notícias

Versão mobile

 
 

Coluna da Maga29/11/2021 | 09h00Atualizada em 29/11/2021 | 09h00

Magali Moraes: no seu tempo

Colunista escreve às segundas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes: no seu tempo Fernando Gomes/Agencia RBS
Magali Moraes Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

A gente reclama dele o tempo todo, com o perdão do trocadilho. O tempo das horas, minutos e segundos (mas reclama também do tempo feio e chuvoso). Tem a contagem real oficial, e tem a nossa forma de sentir a passagem do tempo. Ele pode ser mensurado pelo relógio, cronômetro, calendário e até mesmo pelo espelho. Outra prova concreta de que o tempo passou é se surpreender com o crescimento dos filhos dos outros. "Nossa! Já desse tamanho?!" Cuidado que o tempo também passou pra você.

O curioso é justamente isso. O tempo pode ser compreendido de maneira subjetiva e variar de pessoa pra pessoa. Dependendo da situação, estado de espírito ou momento de vida, o tempo voa ou se arrasta. Só tem um detalhe: eu desconheço algo mais valioso que o tempo. Aproveite bem o seu antes que você se arrependa. Por isso mesmo, eu recomendo gastar 22 minutinhos pra assistir ao episódio "Tempo" da série documental Explicando na Netflix. Tem temporada nova, e a gente aprende muito.

Leia outras colunas da Maga

Livre

Esses dias, tive um tempinho livre de noite e comecei a ver um filme horrível. Não dá pra desperdiçar duas horas da vida vendo porcaria, né? Então lembrei dessa série. O episódio sobre contos de fada é sensacional, idem o de cirurgia plástica. Os assuntos são variados, a linguagem é didática e super criativa. O que aconteceu? Gastei bem o meu tempo assistindo a vários. Não quero dar spoiler sobre esse episódio do tempo. Quando você assistir, lembre de mim na parte do experimento na caverna.

Tem outro ponto interessante, e posso comentar porque todos nós sentimos isso na pele. A pandemia mexeu com a percepção de tempo. As mesmas 24 horas trancados em casa, no mundo inteiro, foram sentidas de maneira diferente. Longos meses, aliás. Um alívio porque passou. Uma pena tanto tempo desperdiçado. Tantas vidas, inclusive. Quando você acordar amanhã, use um minutinho pra lembrar a preciosidade dessas 24 horas. No seu tempo, aproveite a sorte de estar vivo.   


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros