Mais de 6,2 milhões de pessoas podem receber reforço da vacina contra a covid-19 no RS até maio de 2022 - Notícias

Versão mobile

 
 

Segundo o Ministério da Saúde16/11/2021 | 22h47Atualizada em 16/11/2021 | 22h47

Mais de 6,2 milhões de pessoas podem receber reforço da vacina contra a covid-19 no RS até maio de 2022

Toda a população acima de 18 anos terá a imunidade reforçada com mais uma dose, segundo novas orientações da pasta

 Até maio de 2022, 6.228.610 pessoas que moram no Rio Grande do Sul poderão receber uma dose de reforço da vacina contra a covid-19. Esse público possui mais de 18 anos e tomou os imunizantes da Pfizer, da AstraZeneca ou da Coronavac, em um esquema de duas doses, ao longo do ano.

O levantamento é do Ministério da Saúde – a pasta anunciou nesta terça-feira (16) que todos os adultos terão a imunidade reforçada com uma terceira dose, obedecendo um intervalo de cinco meses após a segunda aplicação.

Em novembro, 926,8 mil estão aptas para tomar a dose de reforço no Estado, segundo a pasta. Os dados do Ministério da Saúde costumam divergir dos divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES).

Leia mais
Nove em cada 10 mortes por covid na faixa até 39 anos são de pacientes sem vacinação completa
RS tem 1,1 milhão de pessoas com atraso na segunda dose da vacina 

Porém, apesar das recomendações nacionais, o início não será imediato: a SES afirma que há necessidade de fazer um levantamento da quantidade de vacinas disponíveis e que as cidades organizem o seu calendário para atender a todos os públicos.

Preferencialmente, o Ministério da Saúde recomenda que seja utilizada a vacina da Pfizer como reforço – a pasta encomendou um estudo junto à Universidade de Oxford que aponta que a combinação de vacinas diferentes aumenta significativamente a imunidade. Na falta de Pfizer, podem ser usadas também a AstraZeneca ou a Janssen.

A Coronavac, fabricada pelo Instituto Butantan, está fora das negociações de a compra de mais vacinas contra a covid-19 e, por isso, não aparece como opção de dose de reforço nas orientações nacionais – majoritariamente, o Sistema Único de Saúde (SUS) deve trabalhar com Pfizer e AstraZeneca a partir de 2022.

Em relação à Janssen, a orientação é outra: quem tomou a vacina de dose única irá tomar uma segunda dose do mesmo laboratório, a partir de 60 dias após a primeira. Cinco meses depois da segunda dose, poderá tomar o reforço, utilizando qualquer vacina disponível. 

O Rio Grande do Sul precisará de mais de 300 mil doses da Janssen para atender as pessoas que receberam o imunizante na metade do ano. O Estado deve receber um novo lote da vacina a partir de sexta-feira (19), ainda sem a quantidade confirmada pelo Ministério da Saúde. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros