Ministério da Saúde inclui CoronaVac no plano nacional de vacinação para crianças e adolescentes - Notícias

Versão mobile

 
 

Contra a covid-1921/01/2022 | 21h39Atualizada em 21/01/2022 | 21h40

Ministério da Saúde inclui CoronaVac no plano nacional de vacinação para crianças e adolescentes

Doses aplicadas no público de seis a 17 anos serão as mesmas dos adultos

GZH
GZH

O Ministério da Saúde anunciou nesta sexta-feira (21) a inclusão da vacina CoronaVac para crianças e adolescentes de seis a 17 anos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19. A decisão ocorre um dia após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar o uso do produto nesta faixa etária — trata-se do segundo imunizante pediátrico autorizado no Brasil, o primeiro foi o da Pfizer.

Em coletiva realizada em Brasília, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, destacou que as doses aplicadas no grupo serão as mesmas dos adultos, que o intervalo entre primeira e segunda aplicação é de 28 dias e que essas vacinas não podem ser aplicada em crianças e adolescentes imunossuprimidos. Assim como no caso da Pfizer, para aplicação da CoronaVac em pessoas desta a faixa etária recomenda-se o treinamento de equipes e um ambiente específico.

Leia mais
Vacinação contra a covid é um direito das crianças e pais podem ser penalizados se elas não foram imunizadas, dizem especialistas
STF manda Ministério Público fiscalizar pais que se recusam a vacinar os filhos
Apesar de preocupante, situação do RS não é tão grave graças à vacinação, dizem especialistas

De acordo com Cruz, o Ministério da Saúde tem 6 milhões de doses disponíveis do imunizante em seu centro de distribuição e que Estados e municípios possuem algumas vacinas, as quais podem ser utilizadas imediatamente para a vacinação deste público. O secretário executivo informou ainda que a pasta contatou o Instituto Butantan, responsável pela produção do imunizante, para saber qual o quantitativo disponível para uma possível compra. A resposta foi 7 milhões de doses.

No entanto, um contrato de compra depende da quantidade de doses disponíveis nos Estados — dado que já foi solicitado pelo Ministério da Saúde, com prazo de retorno até segunda-feira (24). A princípio, as unidades federativas teriam cerca de 3 milhões de vacinas. 

— Isso é importante para que façamos uma distribuição mais justa para todos os Estados, para termos uma segurança maior nas tomadas de decisão — afirmou Cruz. 

Enquanto não tem o levantamento, o Ministério da Saúde decidiu entregar de forma emergencial novas doses a todos os Estados que apresentam número abaixo de 40 mil doses em estoque: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Sergipe, Acre, Pernambuco, Amapá, Para, Roraima, Tocantins, Rio de Janeiro, Paraná e Santa Catarina. Serão enviadas 733 mil doses, conforme o secretário-executivo, para atender até 10% das crianças e adolescentes entre seis e 17 anos:

— O setor de logística está vendo a disponibilidade de voos e, nos primeiros voos possíveis, as doses serão enviadas. A expectativa é de que no máximo na segunda-feira (24) elas já estejam nos Estados, para que eles não fiquem parados na imunização desta faixa etária até que a gente receba todas as informações. 

A distribuição de vacinas pediátricas da Pfizer deve seguir normalmente, a partir do critério populacional, na medida em que chegam no país, disse Cruz. A próxima remessa da farmacêutica é de 1,8 milhão de doses e está prevista para segunda. Já em 3 de fevereiro, o país deve receber mais um lote com 1,8 milhão de imunizantes. 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros