Casas da zona leste de Porto Alegre recebem pulverização contra o mosquito da dengue - Notícias

Versão mobile

 
 

Bairro Jardim Carvalho21/03/2022 | 20h08Atualizada em 21/03/2022 | 20h08

Casas da zona leste de Porto Alegre recebem pulverização contra o mosquito da dengue

Agentes também fizeram apelo para que moradores esvaziem reservatórios com água parada

Casas da zona leste de Porto Alegre recebem pulverização contra o mosquito da dengue Tiago Boff / Agência RBS/Agência RBS
Servidores fizeram pulverização diretamente no pátio e nos jardins Foto: Tiago Boff / Agência RBS / Agência RBS

Na manhã desta segunda-feira (21), trabalhadores da vigilância em saúde da prefeitura de Porto Alegre percorreram o bairro Jardim Carvalho, na Zona Leste, pulverizando áreas onde o mosquito transmissor da dengue pode se reproduzir. A região lidera a incidência da doença — em todo o município, em 10 dias, foi registrado aumento de 934% nos casos, números contabilizados até o último sábado (19).

Pela calçada ou da rua, telhados, sacadas e lajes dos imóveis receberam uma nuvem do inseticida Piretróide, com objetivo de matar o Aedes Aegypti.

Cleide Paiva Loureiro, 60 anos, abordou as equipes e pediu que aplicassem o agrotóxico também no terreno dele. Ela se queixa de sintomas semelhantes aos da dengue.

— Eu ainda estou com dor nas articulações e de cabeça. Quero que dedetizem, porque tá assim de mosquito — disse, fazendo um sinal com as mãos. 

Leia mais
Dengue, covid ou gripe: semelhança entre os sintomas preocupa; veja como diferenciar as doenças
Em 10 dias, número de casos de dengue tem alta de 934% em Porto Alegre
Igrejinha registra 696 casos de dengue em menos de um mês e intensifica combate ao mosquito transmissor

Os sintomas podem variar entre febre, dor de cabeça, dor ao redor dos olhos, dor muscular, dor nas articulações e náuseas.

Nos locais autorizados, os servidores fizeram a aplicação diretamente no pátio e nos jardins. Potes de comida de animais domésticos devem ser retirados nesse momento. Muitas larvas foram vistas em pias desativadas, pratos e vasos de flores e em pneus que acumulam água da chuva.

As gotículas pulverizadas pelos agentes têm o poder de matar os mosquitos que estejam nos locais ou sobrevoando-os naquele instante, mas a principal precaução é esvaziar os reservatórios que mantenham água parada, alerta o médico veterinário Roger Halla.

— Se não tem o vetor Aedes, não tem quem transmita a doença. E não temos como entrar em todas as casas para fazer isso. É importante o morador fazer sua parte — reitera o especialista.

Orientação da comunidade 

Enquanto dois aplicadores caminhavam paramentados com a mangueira do pulverizador apontada para locais de alto risco, agentes de saúde e comunitários batiam palma em frente aos portões. O trabalho de precaução já vem ocorrendo há algum tempo, garante Cida Oliveira, uma das orientadoras.

— Eles já estão sabendo o que têm que cuidar e nos recebem muito bem. Mas tem que reforçar — afirma a agente comunitária, que chama pelo nome cada um que atende a porta.

Nos becos e vielas da Vila Cefer e demais comunidades do bairro, a dengue virou o principal assunto.

— Tô passando repelente na minha pequena — gritou um vizinho.

— Eu já vi muito sobre isso em entrevista, e como tenho que cuidar bem da casa, estou atenta — garante outra. 

Moradores da Capital podem ligar para o 156 para denunciar endereços com água parada.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros