Infecção pela Ômicron não garante proteção contra outras variantes em quem não tomou vacina, sugere estudo - Notícias

Versão mobile

 
 

Resposta imune fraca20/05/2022 | 09h23Atualizada em 20/05/2022 | 09h23

Infecção pela Ômicron não garante proteção contra outras variantes em quem não tomou vacina, sugere estudo

Em indivíduos vacinados contra a covid-19, por outro lado, foi detectado um fortalecimento da imunidade contra outras cepas do vírus

Infecção pela Ômicron não garante proteção contra outras variantes em quem não tomou vacina, sugere estudo Antonio Valiente / Agencia RBS/Agencia RBS
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS / Agencia RBS
GZH
GZH

Um estudo divulgado na revista científica Nature revelou que, em pessoas não vacinadas, a infecção com a variante Ômicron fornece pouca imunidade a longo prazo contra outras variantes do Sars-Cov-2, vírus que causa a covid-19. A pesquisa, divulgada na quarta-feira (18), foi conduzida por pesquisadores do Gladstone Institutes e da Universidade da California San Francisco.

O estudo, feito em camundongos e amostras de sangue de pessoas que foram infectadas pela Ômicron, sugeriu que a resposta imune "natural" da variante é fraca, de um modo geral. Em indivíduos vacinados contra a covid-19, foi detectado um fortalecimento da imunidade contra outras cepas do vírus. Entretanto, em pessoas não vacinadas, a infecção não garantiu proteção robusta contra outras variantes.  

“Na população não vacinada, uma infecção com Ômicron pode ser aproximadamente equivalente a receber uma dose de uma vacina [...] Confere um pouco de proteção contra a covid-19, mas não é muito amplo.” afirmou Melanie Ott, co-autora sênior do novo trabalho, em nota divulgada a partir do estudo pelo EurekAlert!.

Assim, os pesquisadores destacaram a importância de um esquema vacinal completo contra o vírus, mesmos se já infectado anteriormente.

Passo a passo da pesquisa

Para avaliar a resposta imune contra a Ômicron ao longo do tempo, os pesquisadores coletaram amostras de sangue de camundongos infectados com as variantes ancestrais, Delta ou Ômicron e mediram a capacidade de suas células imunes e anticorpos de reconhecer cinco vírus diferentes, as variantes—ancestral (WA1), Alpha, Beta, Delta e Ômicron.

O sangue de animais não infectados não foi capaz de neutralizar qualquer um dos vírus – em outras palavras, bloquear a capacidade de qualquer um dos vírus de se copiar. Amostras de animais infectados com WA1 podem neutralizar Alpha e, em menor grau, os vírus Beta e Delta – mas não Ômicron.

Amostras de camundongos infectados com Delta podem neutralizar Delta, Alpha e, em menor grau, os vírus Ômicron e Beta. No entanto, o sangue de camundongos infectados com Ômicron só conseguiu neutralizar a mesma variante.

A equipe confirmou esses resultados usando sangue de 10 pessoas não vacinadas que foram infectadas com Ômicron, que não foi capaz de neutralizar outras variantes. Quando eles testaram o sangue de 11 pessoas não vacinadas que foram infectadas com Delta, as amostras puderam neutralizar a Delta e, como foi visto em camundongos, as outras variantes em menor grau.

Ao repetir os experimentos com sangue de pessoas vacinadas, os resultados foram diferentes: indivíduos vacinados com infecções Ômicron ou Delta confirmadas mostraram a capacidade de neutralizar todas as variantes testadas, conferindo maior proteção.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros