Manoel Soares: "O dia seguinte" - Notícias

Versão mobile

 
 

Papo Reto14/05/2022 | 05h00Atualizada em 14/05/2022 | 05h00

Manoel Soares: "O dia seguinte"

Colunista escreve para o Diário Gaúcho aos sábados

Manoel Soares: "O dia seguinte" Manoel Soares / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Manoel Soares reflete sobre a abolição da escravatura Foto: Manoel Soares / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Este sábado é um dia muito importante para os negros do Brasil. E a importância a que me refiro não é uma importância positiva. A abolição da escravatura, no dia 13 de maio de 1888, foi resultado da luta de muitas pessoas que buscavam uma vida mais digna para a comunidade negra. 

Porém, a comemoração do dia 13 de maio, após a assinatura do documento pela Princesa Isabel, foi seguida de muita tristeza e dor. Digo isso porque no dia 14 de maio os negros libertos não tinham o que comer, não tinham onde dormir nem onde existir. Pouca gente sabe que, além de acabar com a escravidão, nomes como José do Patrocínio e Luiz Gama lutavam para que houvesse também terras dadas aos negros, pois assim teriam um ponto de partida – igual aos europeus que chegavam ao Brasil, que tinham de onde começar.

Leia mais colunas de Manoel Soares  

Essa liberdade parcial deu ao povo negro brasileiro uma posição de desvantagem diante dos demais pobres. O colono lutador gaúcho, pelo menos, tinha terra para plantar e começar a vida, o negro não. Essa decisão foi tomada em 1888 e impacta a vida dos negros até hoje. Quantas pessoas negras você conhece que são médicos? Talvez, conheça um ou outro, porém, o certo era que a mesma quantidade de médicos brancos que você conhece, fosse equivalente à de médicos negros, porque o Brasil tem metade da população negra. 

Ninguém gosta de falar de racismo, os negros lembram que sofreram e os brancos lembram que fizeram sofrer. Esquecer essa parte da história não faz com que ela desapareça, só faz com que as pessoas sejam menos conscientes dos seus privilégios e das suas potências. 14 de maio é um dia a ser lembrado, a ser vivido. Tão importante como a liberdade é a dignidade. 

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros