Incêndio em comunidade terapêutica deixa ao menos 11 mortos em Carazinho - Notícias

Versão mobile

 
 

Norte do RS 24/06/2022 | 22h20Atualizada em 24/06/2022 | 22h20

Incêndio em comunidade terapêutica deixa ao menos 11 mortos em Carazinho

Maioria das vítimas estava na área dos dormitórios

Incêndio em comunidade terapêutica deixa ao menos 11 mortos em Carazinho Corpo de Bombeiros / Divulgação/Divulgação
A parte do centro de tratamento onde ficava os quartos era de madeira Foto: Corpo de Bombeiros / Divulgação / Divulgação
Gustavo Gossen e Júlia Soares

gustavo.gossen@rdgaucha.com.br

Um incêndio de grandes proporções atingiu o Centro de Tratamento e Apoio a Dependentes Químicos de Carazinho (Cetrat), em Carazinho, no norte do Estado, deixando ao menos 11 pessoas mortas, sendo 10 pacientes e um monitor da instituição.

Conforme a Polícia Civil, ao menos 15 pessoas, todas homens, estavam no interior do centro de tratamento. Dez vítimas morreram no local. Três pessoas foram levadas para atendimento no hospital de Carazinho, no entanto, uma delas não resistiu aos ferimentos. As outras estão internadas e o quadro de uma delas é grave. Duas pessoas conseguiram sair sem ferimentos. 

Os mortos, segundo apurado pela reportagem e confirmado pela Polícia Civil, são Avelino Timm (de Campos Borges), Adair José Langaro Nascimento (de Vila Lângaro), César Dutra de Andrade (de Espumoso), Luciano Serafim Lemos (de Carazinho), Gilberto Soares dos Santos (de Não-Me-Toque), Luiz Eduardo Ribeiro (de Santa Cruz), Oscar Duranti (de Constantina), Deive da Silva (de Santa Cruz), Sebastião dos Santos (de Alto Alegre), Idemar dos Reis (de Carazinho) e Gilberto Almeida de Oliveira, que era monitor da clínica.

A maioria das vítimas estava na área dos dormitórios localizada no segundo piso da instituição. A estrutura acabou cedendo em razão do fogo. Embaixo funcionava uma oficina para os internos, e em cima, ficavam os alojamentos. Os corpos foram encontrados próximo das janelas, todas no formato basculante. A parte do centro de tratamento onde ficava os quartos era de madeira e foi totalmente consumida pelas chamas. As vítimas pediam socorro com as mãos para fora.

As causas do incêndio ainda são desconhecidasFoto: Pedro Ernesto Radialista / Reprodução/Arquivo Pessoal

O combate ao fogo teve início no final da noite de quinta-feira (23), por volta das 23h.  Segundo a repórter Maria Eduarda Ely, da RBS TV, os bombeiros combateram o fogo durante uma hora. A chegada dos bombeiros até o local foi rápida, mas em razão da estrutura ser de madeira, o fogo se alastrou com muita força.

Duas equipes de perícia criminal do IGP estão trabalhando no local para a realização das necropsias e reconhecimento das vítimas. O objetivo da perícia é identificar vestígios que ajudem a compreender a causa e a dinâmica do incêndio. O laudo pericial deve ser concluído em pelo menos 30 dias. 

A reportagem da Rádio Gaúcha entrou em contato com Marta Oliveira, uma das proprietárias da entidade filantrópica. Muito abalada, Marta disse que irá se pronunciar após os resultados da perícia. A prefeitura de Carazinho decretou luto oficial de três dias. 


decretou luto oficial de três dias. 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros