Pfizer encaminha à Anvisa pedido para terceira dose contra a covid-19 em crianças de cinco a 11 anos no Brasil - Notícias

Versão mobile

 
 

Vacinação22/06/2022 | 09h14Atualizada em 22/06/2022 | 09h15

Pfizer encaminha à Anvisa pedido para terceira dose contra a covid-19 em crianças de cinco a 11 anos no Brasil

De acordo com o laboratório, a solicitação foi feita na segunda-feira (20)

Pfizer encaminha à Anvisa pedido para terceira dose contra a covid-19 em crianças de cinco a 11 anos no Brasil Marcelo Casagrande / Agencia RBS/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS / Agencia RBS
GZH
GZH

A Pfizer emitiu um comunicado nesta terça-feira (21) informando que pediu à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorização para aplicar a terceira dose da vacina contra a covid-19, também chamada dose reforço, nas crianças de cinco a 11 anos. De acordo com o laboratório, a solicitação foi feita na segunda-feira (20). 

O uso vacina da Pfizer para crianças nessa faixa etária foi aprovado pela Anvisa em dezembro. Em janeiro deste ano, teve início sua aplicação, administrada em duas doses. No comunicado, o laboratório cita que, nos Estados Unidos, a terceira dose do imunizante em quem tem entre cinco e 11 anos foi autorizada com cinco meses de intervalo após a segunda aplicação.  

Ainda segundo a farmacêutica, estudos mostraram que a terceira dose promove uma "resposta imune rosbusta" nas crianças dessa faixa etária. 

Veja o comunicado da Pfizer:

A Pfizer realizou ontem, 20 de junho de 2022, a submissão à Anvisa do pedido para aplicação da dose de reforço da vacina ComiRNAty contra a COVID-19 no público infantil de 5 a 11 anos.

Em dezembro de 2021, a Anvisa aprovou a indicação do uso de duas doses do imunizante da Pfizer contra a COVID-19 para esta faixa etária. O imunizante passou a ser utilizado no Brasil para essa população em janeiro de 2022.

O FDA, agência regulatória americana, aprovou em 17 de maio de 2022 a aplicação de uma dose de reforço da vacina Pfizer-BioNTech de COVID-19 para crianças de 5 a 11 anos, no período de pelo menos 5 meses após a segunda dose.

A decisão ocorreu após dados do ensaio clínico da fase 2/3, apontarem que uma dose de reforço de 10ug da vacina promove uma resposta imune robusta com um perfil de segurança favorável, em um momento em que a Ômicron era a variante prevalente. Até o momento, 4.500 crianças de 5 a 11 anos de idade participaram deste ensaio clínico da vacina COVID-19.

Junho de 2022
Pfizer Brasil

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros