Banco de leite materno do Hospital Presidente Vargas precisa de doações - Notícias

Versão mobile

 
 

Solidariedade05/07/2022 | 08h52Atualizada em 05/07/2022 | 09h08

Banco de leite materno do Hospital Presidente Vargas precisa de doações

Equipe da instituição de saúde faz atendimento domiciliar em Porto Alegre; saiba como doar

Banco de leite materno do Hospital Presidente Vargas precisa de doações Cristine Rochol / PMPA / Divulgação/PMPA / Divulgação
Doações de leite materno auxiliam os recém-nascidos no hospital enquanto a mãe ainda não consegue produzir o alimento Foto: Cristine Rochol / PMPA / Divulgação / PMPA / Divulgação

O Banco de Leite Humano do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas (HMIPV) de Porto Alegre precisa de doações. Nesta semana, bebês prematuros com risco extremo de vida internados na UTI neonatal dispõem de apenas três litros para suprir as necessidades diárias de nutrição.

A capacidade de processamento do banco é de até cem litros por mês. As doações de leite materno auxiliam os recém-nascidos no hospital enquanto a mãe ainda não consegue produzir o alimento. 

Mães que estão amamentando, com excesso diário de leite (pelo menos 50ml), que estejam clinicamente saudáveis e que moram em Porto Alegre podem ser doadoras. Para isso, basta entrar em contato com o hospital, que fica na Avenida Independência, 661, esquina com a Rua Garibaldi, pelo telefone 3289-3334 ou pelo e-mail bancodeleite@hmipv.prefpoa.com.br.

Moradora do bairro Rio Branco, a psicóloga Caroline Lemos Martins, 25 anos, é mãe da Cecília, de quatro meses, e em março ela começou a doar. Ela avalia que a doação é fundamental para garantir os estoques do banco.

— Eu decidi doar porque eu tenho um excedente de leite da minha bebê de quatro meses, que tem alimentação exclusiva. O hospital vem aqui toda quarta-feira de manhã, me abastece com touca, com máscara, com os frascos esterilizados e buscam na semana seguinte. É importante contribuir com esses bebezinhos em um momento de fragilidade em que as mães se encontram — destaca a psicóloga.

Após preenchimento de cadastro, a equipe começa a buscar o leite direto na residência da doadora, momento em que ela poderá esclarecer dúvidas. O leite recebido passa por uma análise de qualidade, segurança e pasteurização, e só depois é liberado para consumo dos bebês. 

De acordo com a nutricionista do HMIPV Angelita Matias, o leite materno aumenta a imunidade, diminui o risco de doenças infecciosas e diarreias, atuando ainda no sistema cognitivo do bebê.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros