Mulheres que "pegam, mas não se apegam" - lady - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Lady comportamento25/11/2016 | 07h01Atualizada em 25/11/2016 | 08h27

Mulheres que "pegam, mas não se apegam"

Hoje, muitas já foram casadas e não querem mais saber de compromisso como a  garçonete Nisiane Maria de Jesus, de Viamão

Muitas mulheres prezam, cada vez mais, a sua liberdade afetiva e sexual assim como Salete (Claudia Raia) na novela A Lei do Amor. 

Foto: TV Globo / divulgação

Depois de um casamento frustrado, a dona de posto de gasolina contratou frentistas bonitões para alavancar o negócio e, solteira, se dá o direito de sair com quem tiver vontade. A garçonete Nisiane Maria de Jesus, 33 anos, da Vila Augusta, em Viamão, também adora um pagodinho com as amigas. E se mostra sem rodeios no quesito relacionamentos amorosos. 

Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

— Eu pego mesmo, mas não me apego. Nos shows que eu costumo ir, acontece de eu beijar muito! — reconhece ela.

Nisiane até troca alguns telefones, mas prefere não levar nenhum relacionamento adiante. Quando eles inventam de chamá-la no WhatsApp, desconversa e deixa qualquer novo encontro para uma próxima balada.

Cinco dicas criativas e baratas para deixar sua mesa linda à espera dos amigos

— Não entrou ninguém aqui em casa nem no meu coração. Está tudo fechado para balanço! —  brinca.

Essa postura avessa a compromissos afetivos surgiu depois de um relacionamento frustrado. Nisi se decepcionou com o namorado que teve por cinco anos quando descobriu que ele "ficava" com a melhor amiga e confidente dela.

— Não quero mais me machucar, sabe? Deve ser por isso a minha "pegação" sem paixão – admite a mãe de Lucas, 14 anos, e Cristofer Kauã, seis. 

Só quando for sério!
O filho mais velho é fruto de um relacionamento quando ela tinha 18 anos, e o mais novo, do seu único casamento que durou dois anos. Morando com os pais, a garçonete tem que driblar não são os seus meninos, mas a vigilância da mãezona, a dona de casa Nilza Machado de Jesus, 62:

—  Eu não gosto da Nisi saindo toda a semana. Já disse pra ela só aparecer aqui com alguém quando for sério!Já o filho mais velho dá a maior força para a mãe:—  Eu não tenho ciúme. Sempre dou conselhos para ela não ter mais filhos e se cuidar quando for sair de casa. Torço para que a minha mãe tenha um namorado legal, que goste e trate bem a gente.

Aprenda a estender a roupa no varal para facilitar sua vida na hora de passar com o ferro

Mas Nisi admite que esse "pegar e não se apegar" tem prazo de validade.

— Eu não vou te mentir: gostaria muito de ter um relacionamento sério. Mas quero isso com cautela —  se entrega, avisando os pretendentes ao posto:

— Como eu tenho dois filhos, a minha prioridade, agora, são eles.

Ilusão ou realidade?
Para Rafael Diniz de Lima, coautor do livro Relacionamentos Amorosos: o Antes, o Durante... e o Depois — Volume 2, achar que não se envolve é ilusão. 

— Até se pode negar que exista algo, mas estas relações vão atrair algum tipo de sentimento quer queira, quer não — defende o psicólogo, que traça um perfil deste tipo de mulheres:

— Elas já sofreram no passado. Este é um mecanismo de defesa para que uma situação frustrante não se repita. O especialista afirma que são poucas as pessoas que não se apegam, pois é muito difícil manter o controle da situação.

Leia mais no Lady

— E, quando se apegar a alguém, que não haja medo da entrega — conclui Rafael, dando a dica.


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros