Como é passar o Natal só entre mulheres - lady - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Lady Comportamento23/12/2016 | 08h00Atualizada em 23/12/2016 | 08h00

Como é passar o Natal só entre mulheres

Há quase duas décadas, a técnica em Enfermagem Inajara Santos comanda a festa em casa com a filha e a neta e já assou até churrasco em vez de peru.

Que tal passar a noite de 24 de dezembro só entre mulheres? Há quase duas décadas, a técnica em Enfermagem Inajara Santos, 55 anos, do Bairro Teresópolis, distribui presentes a toda família dominada pelo sexo feminino. Sorridente e incansável, assume o posto de Papai, Mamãe e Vovó Noel em casa. Com seu exemplo, fica aqui a nossa homenagem a todas as mulheres que se viram nos 30 nas festas de final de ano para fazerem a alegria dos seus lares. Feliz Natal!

Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Faz 17 anos que as três mulheres da casa, Inajara, a filha, Josiane Santos, 39, e a neta, Genniffer Santos, 17, repetem o mesmo ritual na noite de 24 de dezembro. Filha e neta tentam adiantar o que dá até dona Iná, como é chamada, chegar de um dia de trabalho por volta das 20h. —  A gente arruma a mesa, faz a salada, a farofa e espera a mãe —  conta Josi.  

5 dicas criativas e baratas para deixar sua mesa linda à espera dos amigos

E, aí, é aquele corre-corre até a ceia. Mas nem sempre foi assim. Desde que se separou, entre tantas tarefas que abraçou, ficou esta de de organizar a noite de Natal. Em um ano, em vez de assar o tradicional peru, dona Ina resolveu fazer churrasco. — A carne caiu na brasa, mas a gente comeu, porque, aqui em casa, é tudo festa! — conta, sorridente. 

5 dicas para usar a franjinha de Isabela, campeã de pedidos na Globo

Nada tira o nosso brilho
No Natal seguinte, não insistiu no churrasco e seguiu a tradição. —  O melhor é passar estas datas especiais perto de quem a gente ama e quer bem. É o nosso amor de mãe, filha e neta juntas.

Leia mais no Lady

Pra que homem, se a gente faz tudo? Quando se quer, se consegue — afirma Josi, que é deficiente visual e está desempregada. Também demitida há poucos meses, dona Ina não deixa a peteca cair e garante a alegria em tempos de festas:

— Aqui em casa, não tem tempo ruim! Estou desempregada, mas "freelando" (fazendo bicos) bastante, graças a Deus. E é com todo esse entusiasmo que inspira filha e neta no clima de confraternização.

—  Acho muito legal passar o Natal com a minha mãe e a minha avó. São as pessoas mais divertidas do mundo! Eu não fico longe delas. Só quero ver se a minha Vó Noel vai me dar a tatuagem e o telefone que eu pedi —  diz a neta, sorrindo.

No cardápio deste ano, peru, arroz à grega, salada de maionese, torta de sorvete de sobremesa e, para completar, muita alegria. — Uma troca presentes com a outra, ligamos o rádio, ouvimos música, conversamos sobre o ano que está acabando, sobre sonhos,  expectativas e dançamos —  conta a chefe de família, finalizando:— Somos três mulheres lindas e felizes! Nada tira o nosso brilho.


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros