Rosane Marchetti faz 30 anos de RBS TV e, curada de um câncer, abraça uma missão - Entretenimento

Vers?o mobile

 
 

Exclusivo16/05/2015 | 09h01

Rosane Marchetti faz 30 anos de RBS TV e, curada de um câncer, abraça uma missão

Engajada em causas sociais, ela comemora: "O carinho que recebo devolvo em forma de esperança"

Rosane Marchetti faz 30 anos de RBS TV e, curada de um câncer, abraça uma missão  RBS TV/Divulgação
Na bagagem, inspiração e muita transpiração Foto: RBS TV / Divulgação

Rosane Marchetti, 55 anos, está completando três décadas como repórter da RBS TV e Globo. Um dos muitos reconhecimentos será a medalha de cidadã de Porto Alegre que a jornalista, de Nova Prata, receberá em breve.

Nesta sexta-feira,15, ela esteve em Viçosa, Minas Gerais, preparando o seu próximo Globo Repórter. O programa será sobre "coisas que fazem bem à saúde", como Rosane mesmo conta, pois não pode adiantar mais do que isso. Abaixo, ela fala sobre sua missão social e a vida suada, mas pra lá de recompensadora, como repórter. 

Aqui Entre Nós — Nesta quarta-feira, 13 de maio, tu comemoraste 30 anos de RBS TV. Como foi a data?
Rosane Marchetti —
Coloquei nas redes sociais, e foram milhares de curtidas, muito legal. É um orgulho estar há tanto tempo contando histórias e fazendo a minha também, porque, mais da metade da minha vida, estou na RBS TV. Fui repórter, editora-chefe, editora-executiva e apresentei praticamente todos os programas da
RBS TV e TVCOM na área do jornalismo, mas o que mais fui foi repórter.

Aqui — Deixar de apresentar o Jornal do Almoço, em 2010, para ser repórter foi importante para dar uma revigorada?
Rosane —
Foi, porque pude me dedicar mais à reportagem. E as pessoas que me acompanhavam como apresentadora continuaram me acompanhando. No Face, tenho cerca de 65 mil seguidores. É a confiança que as pessoas depositam em mim. Todos os dias, recebo muitas mensagens e e-mails e respondo absolutamente a todas. Às vezes, demoro um pouco, mas respondo. Até o cinegrafista Marcelo Theil brinca que eu tinha que ter uma secretária (risos).

Aqui — As pessoas assistem a cada Globo Repórter teu e pensam que é o trabalho dos sonhos, uma barbada ficar conhecendo lugares maravilhosos...
Rosane —
Não é, não (risos)! Agora, estamos há uns 12 dias viajando e não temos hora para almoçar — se almoçamos! Precisamos manter a boa convivência e ter uma dose de tolerância, porque é um trabalho em equipe. Acaba sendo um desgaste enorme o momento da captação de conteúdo, porque é uma grande reportagem, não pode ser rasa, e não podemos deixar escapar os detalhes.

Aqui — E ainda tem a família que fica à espera da repórter voltar para casa.
Rosane —
Sim! A gente, entre aspas, abandona eles. A minha filha, Camila (formada em Direito), tem 34 anos, se vira, mas eu e o meu marido (o funcionário público Luiz Roberto Martins Filho, 56) somos muito companheiros. Eu sei que ele fica triste quando eu vou viajar, mas sabe que o meu trabalho me deixa feliz. E ainda tem os meus quatro gatos (risos), todos de rua.

Aqui — Um Globo Repórter inesquecível...
Rosane —
Acho que todos. Sou eu quem propõe os assuntos.

Aqui — Tu sempre tentas colocar algo sobre o Rio Grande no Sul?
Rosane —
Sim, o nosso jeito de viver, de ser, nossos personagens. O dos cânions (o primeiro Globo Repórter de 2015) foi um sucesso. E, comigo, o chimarrão vai para todos os lados.

Aqui — Nas tuas redes sociais, há uma grande rede de engajamento.
Rosane —
Sim, como figura pública, tento mobilizar as pessoas, seja pelas causas sociais, seja pelos animais. O mundo caminha para a generosidade. Faço muitas palestras, nunca cobro por elas e, sempre que posso, procuro estar presente para falar sobre superação e câncer, porque sei que posso levar um pouco de esperança. Me sinto muito grata. A responsabilidade que tenho como jornalista é ajudar a melhorar a vida das pessoas. E a dos animais.

Aqui — Estás curada do câncer (de mama, que teve em 2011)?
Rosane —
Sim, os médicos falam em cura, mas eu vou tomar por uns dez anos um anti-hormônio. Foram oito meses entre quimio e radioterapia. Depois que eu fiquei doente, incorporei mais ainda essa missão de ajudar. Tento fazer o máximo que posso como forma de gratidão a tudo e ao tempo que tenho passado na RBS TV. Todo o carinho que recebo devolvo em forma de esperança.
 

DIÁRIO GAÚCHO

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros