Magali Moraes escreve sobre cabides: "uns marcam a roupa e outros, a infância"  - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Coluna da Maga28/09/2016 | 10h01Atualizada em 28/09/2016 | 10h01

Magali Moraes escreve sobre cabides: "uns marcam a roupa e outros, a infância" 

Magali Moraes escreve sobre cabides: "uns marcam a roupa e outros, a infância"  Miguel Neves/Divulgação
Foto: Miguel Neves / Divulgação

Pra você ver como são as coisas. Eu ia escrever sobre cabides que deixam marcas nas roupas. Sabe aquelas guampinhas horrorosas que levantam porque as pontas do cabide deformaram o tecido? É como se o maldito continuasse ali de corpo presente, entre a pele e a roupa, querendo mostrar o excelente serviço prestado. Quanto mais tempo o cabide segura a camisa dentro do armário, maior a guampinha que deixará de lembrança. Eu ia perguntar se você nem liga pra isso ou liga o ferro e resolve logo o assunto.

Enquanto eu pensava (já irritada) e organizava as frases na cabeça, outro cabide surgiu do nada e arruinou meus planos. Lembrei de uma obra-prima que fiz pra minha mãe no colégio: um cabide cuidadosamente revestido com fita mimosa cor de rosa choque. Naquela época, ninguém falava pink. Era rosa choque mesmo. Se minha memória estiver certa, tinha uma florzinha colada bem no meio. Devia ser truque da profe pra arrematar a emenda da fita. Consigo enxergar esse cabide!! Também lembro do orgulho que eu sentia ao abrir o armário da mãe e ver o presente em uso.

Leia outras colunas da Maga

Gordinho e forrado

Quantos anos eu tinha? Quanto tempo o cabide durou? Será que marcava as roupas da mãe? Provavelmente sim, mas o que a gente não faz pra agradar um filho! Vai ver, ela pendurava qualquer pano só pra me deixar feliz. Acho que era um cabide de madeira porque lembro dele gordinho e forrado. Se fosse de arame ou plástico, não daria pra enrolar a fita. Meu cabide rosa choque era lindo, isso eu garanto.

Semanas atrás, comprei alguns cabides de madeira pra resolver o problema das marcas nas roupas. Agora já nem sei o verdadeiro motivo. Nosso inconsciente é doido demais. Talvez ainda exista uma mini Maga querendo fazer trabalhinhos de arte. E essa mania que tenho de catar cabides vazios nos armários, significa o quê? Affff. Melhor nem saber. Mas tô louca pra perguntar se a mãe lembra do tal cabide. Tomara que sim.


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros