Magali Moraes: "a gente perde a cabeça, perde a hora, mas não quer perder o brinco" - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Coluna da Maga19/10/2016 | 10h00Atualizada em 19/10/2016 | 10h00

Magali Moraes: "a gente perde a cabeça, perde a hora, mas não quer perder o brinco"

Magali Moraes: "a gente perde a cabeça, perde a hora, mas não quer perder o brinco" Miguel Neves/Divulgação
Foto: Miguel Neves / Divulgação

Eu já perdi esse brinco algumas vezes e ele sempre voltou pra mim. O engate que prende atrás da orelha está torto, não fecha direito. Mas ele não é o único culpado. Tenho mania de mexer no cabelo, e brincos não aguentam o vai e vem de dedos. É uma argola quadrada de ouro, daquelas que nunca saem de moda. Simples e elegante. Nem tão grande, nem tão pequena. Combina com tudo. Uso tanto que nem sei mais onde começa o brinco e termina a orelha. Quer dizer, usava. Acho que agora a nossa história chegou ao fim.

Quer brinco mais comum do que uma argola? Depende. Ainda não expliquei que essa tem valor sentimental. Ganhei no trabalho, em uma festa de final de ano, quando completei dez anos de empresa (e publicitários raramente trabalham tanto tempo no mesmo lugar). Lembro até hoje do momento em que um colega, muito amigo meu, fez as honras da casa e entregou o presente. Nenhum FGTS dura assim.

Leia outras colunas da Maga

Cemitério de bijus

Das outras vezes em que perdi esse brinco, ele apareceu embaixo da cama, no chão da garagem, no tapetinho do carro. Há poucos meses, eu havia perdido até a esperança. Dias depois, nos reencontramos no balcão da recepção. Passei por ali e não acreditei! Meu brinco estava esperando por mim! Talvez eu tenha brincado demais com a sorte. Devia ter mandado arrumar o engate ou a orelha.

A fila anda. Tem novidade nas lojas e posso comprar uma nova argola. É que eu não gosto de perder coisas que possuem significado. O que fazer com o brinco que sobrou? Coitado! Vai acabar no cemitério das bijus: o cantinho da gaveta onde as mulheres guardam brincos sem par, pingentes sem cordão, anéis sem pedra, colares pretos na altura do pescoço (e que falta coragem de jogar fora). Eu preferia ter perdido o par inteiro, alguém podia usar. É como sobrar apenas o pé esquerdo do sapato. Brinco amado, volta pra mim! Prometo cuidar mais da nossa relação.


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros