Magali Moraes fala sobre as vantagens de ir à praia fora de época - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Coluna da Maga10/10/2016 | 10h00Atualizada em 10/10/2016 | 10h00

Magali Moraes fala sobre as vantagens de ir à praia fora de época

Magali Moraes fala sobre as vantagens de ir à praia fora de época Miguel Neves/Divulgação
Foto: Miguel Neves / Divulgação

É bom ser do contra e ir à praia quando ninguém vai. Durante o inverno complica, porque os cobertores e estufas mal dão conta. Lá, a gente não tem o conforto da cidade. Por isso, a primavera é perfeita pra botar o pessoal dentro do carro e pegar a estrada. Se tiver sol, melhor ainda. É bem possível que você se empolgue com as lembranças do verão e erre nas roupas. Um casaco pode fazer falta, mas não desanime com o ventinho que te recebe na chegada. É justamente pra arejar a cabeça.

As vantagens começam na freeway, que nem parece aquele purgatório que enfrentamos pra chegar ao paraíso quando é alta temporada. Dá pra relaxar vendo os morros e a paisagem (abstraindo do seu campo de visão os esqueletos horríveis dos painéis de propaganda). Não importa para qual praia você vá, uma coisa é certa: a padaria vai estar sem fila. E com pão quentinho. É uma sensação de abandono ver muitas lojas vazias e fechadas. Em compensação, fora da temporada você descobre que os moradores têm o necessário pra viver. O mar, que é o mais importante, está sempre ali.

Leia outras colunas da Maga

Grilos e sapos

No último findi, dei um pulo na praia e aproveitei essa tranquilidade. Só de botar o pé na areia, já me senti renovada. O mar estava limpo, calmo e tão bonito com a luz do final de tarde. Foi como rever um amigo, um reencontro rápido, porque eu queria mesmo era curtir o meu cantinho. Botar terra preta na grama, tirar os galhos secos das plantas, pendurar as redes, andar de bicicleta, abrir um vinho.

Essa coluna eu escrevi sábado de noite, sentada na frente de casa, ouvindo grilos e sapos. Ainda bem que lembrei deles e guardei os fones de ouvido. Música, eu ouço sempre, grilos cantando, não. Quando fiquei sem saber como terminar o texto, larguei o notebook e fui olhar o céu. Poucas nuvens, estrelas tímidas e uma lua linda! Deu vontade de agradecer, e foi o que eu fiz. Ainda tinha o domingo pra acordar e ser feliz.  


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros