Outubro Rosa: 95% dos casos são curados quando o câncer de mama é detectado precocemente - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

 Falando de Sexo04/10/2016 | 20h01Atualizada em 04/10/2016 | 20h01

Outubro Rosa: 95% dos casos são curados quando o câncer de mama é detectado precocemente

Instituto Avon realizou uma pesquisa em 50 cidades brasileiras e constatou que cerca de 20% das mulheres acham que o diagnóstico da doença é uma sentença de morte. 

Outubro Rosa: 95% dos casos são curados quando o câncer de mama é detectado precocemente /
Andrea Alves e Lúcia Pesca

falandodesexo@diariogaucho.com.br

O Outubro Rosa ganha destaque em todo o mundo. O nome remete à cor do laço que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama, estimulando a participação da população neste sentido.

O movimento começou nos Estados Unidos, quando o laço cor-de-rosa foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, em 1990. Desde aquela época, o evento ocorre anualmente.

Este mês se tornou o de prevenção do câncer de mama. O Instituto Avon realizou uma pesquisa com 1.752 pessoas em 50 cidades brasileiras e constatou que cerca de 20% das mulheres acham que o diagnóstico do câncer é uma sentença de morte.

Contra esta ideia, temos 70% dos casos que são curados, e essa porcentagem salta para 95% quando a doença consegue ser detectada precocemente. Por isso, é de extrema importância estar em dia com a mamografia.

Esse exame de imagem deve ser rotineiro na vida de qualquer mulher e serve para analisar o tecido mamário, identificando qualquer anormalidade capaz de se desenvolver em um câncer de mama.

Comportamento muda

Segundo a pesquisa, esta é a doença mais temida por 60% das mulheres. Para 95% delas, o diagnóstico afeta diretamente as vidas dos familiares mais próximos.

O relacionamento com o parceiro também pode ser atingido. Precisamos lembrar que os seios são uma zona erógena, mas, durante o tratamento, acabam "perdendo" esta característica para o parceiro e para a mulher.

Ela pode ficar mais inibida com relação ao sexo, mudando o seu comportamento enquanto luta para se curar. Por isso mesmo, é muito importante o apoio do companheiro para a superação do câncer de mama, que tem cura.

Leia outras colunas do Falando de Sexo

Dúvidas e sugestões? Escreva para falandodesexo@diariogaucho.com.br

 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros