Magali Moraes escreve sobre a tragédia com a Chapecoense - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Coluna da Maga29/11/2016 | 15h54Atualizada em 30/11/2016 | 10h00

Magali Moraes escreve sobre a tragédia com a Chapecoense

Magali Moraes escreve sobre a tragédia com a Chapecoense Miguel Neves/Divulgação
Foto: Miguel Neves / Divulgação

Eu não entendo absolutamente nada de futebol. Mas entendo de vida, família, perdas, luto, solidariedade e união. Precisava falar sobre essa tragédia que mexeu com todo mundo, de um jeito ou de outro. Foi difícil acordar com a notícia da queda do avião que levava a equipe da Chapecoense pra Colômbia. Meu filho que contou, a gurizada já estava mobilizada cedíssimo. Ao longo do dia, quanto mais eu lia e ouvia sobre o acidente, mais abalada eu ficava. É maior que futebol. É a vida esfregando na nossa cara que a gente não está no comando de nada.

Por que essa tragédia aconteceu no ápice de um time honesto, focado e batalhador? O que dizer pra um filho nessas horas? Pois é, injustiças acontecem. Vem uma fatalidade e pá! Sonhos são abruptamente interrompidos. Gente boa morre, gente ruim segue firme e forte. Se existe algum consolo nisso tudo é ver o mundo se tornar um só abraço nesse momento. #ForçaChape

Leia outras colunas da Maga

Destino, fica quietinho

Como não sentir medo no próximo voo que eu pegar? Lembrei do avião da Tam que caiu em São Paulo em 2007 e matou quase 200 pessoas. Lembrei de todos os voos que peguei depois disso. Uma fatalidade não tem explicação (ou tem, a caixa preta vai dizer). Os jogadores e a equipe da Chapecoense viajavam a trabalho. Os jornalistas, os tripulantes. Tenho um irmão que trabalha em companhia aérea e viaja constantemente. Eu mesma viajo muito a trabalho. E se eu não voltar pra casa um dia desses? Destino, fica quietinho e nem conta o que tu já escreveu pra mim.

Agora é mandar energias boas pra essas famílias conseguirem suportar uma perda tão grande. É tentar seguir a vida, em meio às especulações, fotos de corpos e histórias pausadas ("mãe, um deles tinha acabado de saber que ia ser pai"). Quando nos lembrarmos do primeiro ano da tragédia, que a gente possa olhar pra trás e ver que valorizou mais a própria vida. E que distribuiu muitos "eu te amo" pras pessoas certas. 


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros