Magali Moraes escreve sobre as alças que só existem em roupa de mulher   - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Coluna da Maga07/11/2016 | 10h00Atualizada em 07/11/2016 | 10h00

Magali Moraes escreve sobre as alças que só existem em roupa de mulher  

Magali Moraes escreve sobre as alças que só existem em roupa de mulher   Miguel Neves/Divulgação
Foto: Miguel Neves / Divulgação

Sabe aquelas alcinhas que os fabricantes colocam em roupa de mulher? É só a blusa ser feita de um tecido mole que automaticamente costuram por dentro uma alça de cada lado do ombro. Tenho pavor dessa invenção! Pego a tesoura e corto tudo. É a primeira coisa que faço quando chego da loja. Posso até me arrepender depois, mas já é tarde. E corto também as pontinhas que sobraram do outro lado da costura. Não quero vestígios. Adiós, alcinhas malditas!

Alguém teve a brilhante ideia de fazer essas alças pra pendurar no cabide de um jeito fácil e proteger a roupa. Desconfio que foi para proteger a indústria da fita mimosa. Onde mais essa fita retrô ganharia sobrevida se não fosse virando alcinha? E fácil pra quem? Já deixei de experimentar blusas (e de comprar) porque as alcinhas estavam completamente enroscadas no cabide. Tipo assim Missão Impossível. Apenas parem de complicar a vida!

Leia outras colunas da Maga

Pura implicância

O problema não é pendurar a alça no cabide. É ela ficar pendurada pra fora ao vestir a roupa. Cansei de ver essas alcinhas aparecendo e estragando o visual. Eterno jogo de esconde-esconde. Algumas são compridas demais, não existe tamanho padrão. Vem cá, roupa de homem também tem alcinha? Nunca vi. Seria um excesso de delicadeza com as roupas femininas? Nós precisamos de penduricalhos protetores? Prefiro a minha parte em desconto!

Pra não dizer que é pura implicância, esses dias comprei um vestido e deixei as alças pra testar. Vou dar uma segunda chance, pensei. Tem mulheres que gostam, talvez o problema seja eu. Cada vez que uso esse vestido, fico toda desconfiada olhando para meus ombros. Faço um nó de marinheiro prendendo as queridinhas na alça do sutiã. Não demora, elas se soltam como se fossem um mágico ilusionista. Não sei se vou aguentar. A tesoura está na gaveta. E a gaveta, bem pertinho do armário onde guardo o vestido. Em três segundos, resolvo o assunto.


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros