Magali Moraes escreve sobre as bicicletas que humanizam a cidade - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Coluna da Maga21/11/2016 | 09h59Atualizada em 21/11/2016 | 09h59

Magali Moraes escreve sobre as bicicletas que humanizam a cidade

Magali Moraes escreve sobre as bicicletas que humanizam a cidade Miguel Neves/Divulgação
Foto: Miguel Neves / Divulgação

Na volta do último feriado, fui surpreendida por uma novidade das boas: um bicicletário do Itaú instalado exatamente na frente de casa! Que maravilha! Me lembrei da infância, quando eu passava o verão inteiro na praia com minha vó e em março ficava encantada com as mudanças que encontrava na cidade (era a visão de uma criança, aposto que não mudava tanto assim).

Só de saber que as bikes estão ali me esperando pra um passeio dá alegria na alma. É pra lembrar que o lazer e o prazer podem acontecer a qualquer dia da semana. A cidade fica mais colorida e humanizada. Agora posso usar o bicicletário como ponto de referência (melhor do que dizer "é aquele prédio alto"). E posso fazer as pazes com as magrelas! Já caí numa dessas bicicletas que estava mal conservada e cheguei a romper um ligamento. Tô pronta pra novas aventuras!

Leia outras colunas da Maga

Falta consciência

Deve ter alguém que não gostou do bicicletário. Imagina que horror perder espaço pra estacionar carros na rua. Será? Essa mentalidade tem que mudar. Estamos acostumados a priorizar quatro rodas em vez de duas pernas. Em mobilidade urbana, é como se a gente ainda estivesse se equilibrando com as rodinhas de trás da bici, aprendendo a andar. Com certeza falta um transporte coletivo que funcione pra todos. Também falta consciência do que é melhor pra cidade. Meu sonho é depender menos de carro e resolver minha vida a pé.

A gente precisa se reeducar e se colocar no lugar dos outros. Respeitar o espaço dos ciclistas e torcer pra que eles respeitem motoristas e pedestres. Meu filho, que já estava indo pro trabalho de bike, foi quem mais comemorou o bicicletário. Ainda estou comemorando o capacete que ele finalmente comprou. Difícil acalmar coração de mãe. Essas mudanças de atitude são puxadas pelas gerações mais novas. Pra eles, carro é dispensável. Ciclovia é legal, é sustentável, é liberdade. Vem um futuro bem mais lindo por aí. 


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros