Magali Moraes fala sobre a eternidade que é esperar uma resposta - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Coluna da Maga28/11/2016 | 10h00Atualizada em 28/11/2016 | 10h00

Magali Moraes fala sobre a eternidade que é esperar uma resposta

Magali Moraes fala sobre a eternidade que é esperar uma resposta Miguel Neves/Divulgação
Foto: Miguel Neves / Divulgação

Quem nunca roeu todas as unhas esperando uma resposta decisiva? Nossa vida entra em pausa e se transforma num grande verbo no gerúndio: ficamos torcendo, desejando, mentalizando, sonhando, rezando, cruzando os dedos das mãos e dos pés. Enquanto a resposta não chega, parece que o tempo se arrasta e anda devagar quase parando. Uma espera de poucos dias vira uma eternidade (mas só na nossa cabeça porque lá fora o relógio segue funcionando normal).

Pode ser o resultado de um exame de saúde, uma avaliação do colégio, uma proposta de emprego, um teste de gravidez, os números da mega sena acumulada, um pedido pra juntar as escovas de dente, um novo projeto, um aumento de salário, a lista de um concurso, o ok da imobiliária. Só nos resta esperar. Como é difícil segurar a ansiedade!! Não existe regra pra definir que tipo de espera é mais sofrida que a outra. Depende da pessoa e do contexto. Esperar a previsão do tempo é um sufoco pra quem sobrevive do campo. Esperar o horóscopo do mês seguinte é uma tortura pra quem acredita no zodíaco.

Leia outras colunas da Maga

Seguir em frente

O curioso é que, ao longo da vida, a gente muda de posição nesse jogo. Às vezes somos nós que esperamos loucamente uma resposta (e não conseguimos pensar em mais nada). Tem horas em que alguém espera de nós essa resposta que não vem. Sim? Não? Talvez? Vai saber o que o destino reserva. O jeito é esperar o suficiente e depois seguir em frente. Tudo menos viver dentro de um gerúndio sem fim. Sofrendo, se torturando, perdendo o sono, criando expectativas, se frustrando, duvidando da própria sorte.

Se a resposta vier por e-mail, a gente dorme abraçado no computador. Se for em uma ligação, o celular vai pra baixo do chuveiro com a gente. Aceitamos sinal de fumaça ou pombo correio, desde que a maldita venha logo. Notícias ruins geralmente chegam rápido, as boas é que demoram. Neste momento estou assim, esperando. E você?


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros