Michele Vaz Pradella: "Léo Régis: antipatia aos primeiros acordes" - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Noveleiros26/11/2016 | 10h00Atualizada em 26/11/2016 | 10h00

Michele Vaz Pradella: "Léo Régis: antipatia aos primeiros acordes"

Cantor sensação de Rock Story é mimado, egoísta e fútil. Como simpatizar?

Michele Vaz Pradella: "Léo Régis: antipatia aos primeiros acordes" João Cotta/TV Globo/Divulgação
Foto: João Cotta / TV Globo/Divulgação

Assim como na vida real, quase sempre é a primeira impressão que fica. Logo no primeiro capítulo, já é possível simpatizar, amar, ficar com raiva ou odiar os personagens de uma novela. Com Rock Story, em menos de 20 dias, sei exatamente contra quem vou torcer até o final da trama.

Léo Régis é egocêntrico, fútil, mimado e egoísta. Como simpatizar com um cara que trata um carro importado como se fosse um bebê recém-nascido? Ou que diz, claramente, o quanto é irresistível para a mulherada? Não teve jeito, odiei o personagem de Rafael Vitti à primeira vista, ou aos primeiros acordes, no caso.

Ela também


Foto: Cesar Alves / TV Globo/Divulgação

No segundo lugar do meu ranking dos piores de Rock Story, está Diana (Alinne Moraes). Tudo bem que Gui (Vladimir Brichta) nunca foi santo e admitiu ter traído a esposa várias vezes, mas nada justifica a forma leviana como ela agiu com o marido.

Afinal, não é uma adolescente, mas, sim, uma mãe de família, adulta e, infelizmente, irresponsável. Já estou odiando com todas as forças!


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 

Veja também

Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros