Michele Vaz Pradella: "Léo Régis: antipatia aos primeiros acordes" - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Noveleiros26/11/2016 | 10h00Atualizada em 26/11/2016 | 10h00

Michele Vaz Pradella: "Léo Régis: antipatia aos primeiros acordes"

Cantor sensação de Rock Story é mimado, egoísta e fútil. Como simpatizar?

Michele Vaz Pradella: "Léo Régis: antipatia aos primeiros acordes" João Cotta/TV Globo/Divulgação
Foto: João Cotta / TV Globo/Divulgação

Assim como na vida real, quase sempre é a primeira impressão que fica. Logo no primeiro capítulo, já é possível simpatizar, amar, ficar com raiva ou odiar os personagens de uma novela. Com Rock Story, em menos de 20 dias, sei exatamente contra quem vou torcer até o final da trama.

Léo Régis é egocêntrico, fútil, mimado e egoísta. Como simpatizar com um cara que trata um carro importado como se fosse um bebê recém-nascido? Ou que diz, claramente, o quanto é irresistível para a mulherada? Não teve jeito, odiei o personagem de Rafael Vitti à primeira vista, ou aos primeiros acordes, no caso.

Ela também


Foto: Cesar Alves / TV Globo/Divulgação

No segundo lugar do meu ranking dos piores de Rock Story, está Diana (Alinne Moraes). Tudo bem que Gui (Vladimir Brichta) nunca foi santo e admitiu ter traído a esposa várias vezes, mas nada justifica a forma leviana como ela agiu com o marido.

Afinal, não é uma adolescente, mas, sim, uma mãe de família, adulta e, infelizmente, irresponsável. Já estou odiando com todas as forças!


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros