Entenda quando o desejo sexual se torna uma doença - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Falando de Sexo19/12/2016 | 21h16Atualizada em 19/12/2016 | 21h16

Entenda quando o desejo sexual se torna uma doença

A patologia é quando a pessoa não consegue ter controle toda vez que sente vontade

Entenda quando o desejo sexual se torna uma doença Arte/DG
Foto: Arte / DG
Andrea Alves e Lucia Pesca

Estou namorando há dois anos uma guria que é uma gata! Tenho muito tesão por ela. Por mim, passamos o dia inteiro transando. porque eu adoro sexo! Na realidade, acho que sou muito viciado em fazer sexo. Só de olhar pra ela, já fico com o pênis ereto! Às vezes, tem gente por perto, e eu fico morrendo de vergonha de ter ficado excitado.

Isso é normal ou tenho algum problema? Me ajudem, porque eu não quero perder essa guria, mas, desse jeito que as coisas estão, daqui a pouco, ela se enche. Ela tem dito que eu quero sexo exageradamente.

Pois é, caro amigo, pode ser normal ter bastante desejo sexual e querer estar sempre pronto para o sexo. Desejar manter relações, inclusive, mais de uma vez por dia, não quer dizer que a pessoa seja um compulsivo.

Contudo, você diz que é viciado em fazer sexo. Sobre isso, podemos dizer que o impulso sexual varia de pessoa para pessoa.

Controle é a chave

Uns podem ter vontade de transar três vezes no mesmo dia, outros, apenas uma, tendo a mesma idade que você, sem que seja visto como fora da normalidade.

Gostar de sexo e ter relações diariamente não significa ser um compulsivo sexual.

A patologia, ou seja, doença, é quando a pessoa não consegue ter controle toda vez que sente vontade. Isto é, ela faz independente de qualquer coisa. Nestes casos, a vida passa a girar em torno do sexo, a ponto de outros compromissos e atividades serem adiados para dar lugar aos encontros sexuais.

As necessidades de sexo são tão fortes que não são levadas em conta as relações de alto risco. A pessoa acaba transando sem camisinha e, muitas vezes, sem se preocupar onde ou com quem. E há um alto grau de angustia e ansiedade.

Leia outras colunas do Falando de Sexo

Dúvidas e sugestões, escreva para falandodesexo@diariogaucho.com.br


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 

Veja também

Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros