Guri de Uruguaiana reclama de Carnaval em Xangri-Lá: "Por mim, ficava em Cidreira" - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Só se fala noutra coisa04/03/2017 | 07h00Atualizada em 04/03/2017 | 07h00

Guri de Uruguaiana reclama de Carnaval em Xangri-Lá: "Por mim, ficava em Cidreira"

Pitaco

Era melhor ter ido pra Cidreira, chê!

Buenas! Como foi o teu Carnaval? O meu foi bucha!

Inventei de alugar uma casa pra passar os dias de folia em um desses condomínios chiques de Xangri-Lá. Eu, por mim, ficava em Cidreira, mas a minha patroa ficou me enchendo o saco.

Como a última palavra sempre é a minha, eu não hesitei em falar: "Tudo bem, querida".

Leia outras colunas do Guri de Uruguaiana

Não sei se tu sabes, mas, nestes condomínios chiques, rola o tal de bullying contra quem aluga casa.

No futebol de areia, os inquilinos sempre são os últimos escolhidos. Tem uma panelinha entre os proprietários.

Aí, sobra pro inquilino atacar no gol. E, se tu te "afoga" no mar, os salva-vidas do condomínio gritam de longe:

— É proprietário ou inquilino? Se tu "fala" que é inquilino, bah, lascou! Eles nem perdem tempo contigo.

Tratamento especial

Aí, eu reclamei da situação, e botaram um salva-vidas especial só pros inquilinos.

O profissional que socorre os proprietários é forte, atlético, tem 2m de altura e usa um binóculo moderno cheio da balaca.

O que está lá para ajudaros inquilinos é um gordinhode 1,5m de altura, com aquela barriga definida, sabe? Definida pela cerveja... E, ainda por cima, é vesgo.

O vivente se afoga no Sul, e ele sai correndo pro Norte. Aliás, correndo não, porque mal acelera e põe os bofes pra fora. Outro dia, ele foi pular no montinho de areia e ficou atolado. Não é fácil ser inquilino nesses condomínios chiques.

Causos da Fronteira

Já tinha passado das 2h quando o meu compadre Juvêncio chegou em casa, borracho. A patroa dele, que esperava mais nervosa do que cusco em canoa, foi logo reclamando da situação:

— Isso é hora de chegarem casa?

O Juvêncio, sem pestanejar, respondeu pra ela na maior cara de pau:

— Mas eu não tô chegando... Só vim mesmo pegar o carregador de celular.

Esse é macho!

Elevador mágico

Tudo o que o vivente sempre quis saber do passado

Uma das novidades do meu novo show, Guri de Uruguaiana 2: a Missão, que estreia ainda neste mês, no Theatro São Pedro, é a participação de Sergay Baitabichovisky.

Vindo de "Cosovo" — aquela faixa de gases —, o mágico mais irreverente do Alegrete promete truques incríveis e previsões arrebatadoras do passado.

Truque dos bons

Falando em mágica, me lembrei de um causo que aconteceu com um amigo meu chamado Leônidas — mais grosso do que parafuso de patrola.

O vivente nunca tinha saído do interior do Alegrete. Certo dia, resolveu passar uns dias com a família na Capital. Ao chegar no hotel, parou em frente ao elevador tentando entender para que servia a porta com tantas luzes piscando.

De repente, uma senhora entrou, a porta se fechou, e ela desapareceu. Pouco depois, a porta se abriu de novo, e o gaudério deu de cara com uma prenda mais bonita do que laranja de amostra.Entusiasmado, logo gritou para o filho:

— Josias, vai correndo chamar tua mãe! Essa porta é mágica!

Tirinha


 
 
 

Veja também

Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros