Magali Moraes escreve sobre os chocólatras e a eterna Páscoa - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Coluna da Maga14/04/2017 | 10h00Atualizada em 14/04/2017 | 10h00

Magali Moraes escreve sobre os chocólatras e a eterna Páscoa

Magali Moraes escreve sobre os chocólatras e a eterna Páscoa Miguel Neves/Divulgação
Foto: Miguel Neves / Divulgação

Não é fácil morar numa casa de chocólatras. Parece que a Páscoa nunca termina quando você divide o mesmo teto com adoradores do cacau. Por que esperar essa data pra comer chocolate se todo dia é dia de atacar? Manter a dieta é uma provação constante. A gente abre o armário da cozinha pra pegar uma inocente granola e, na prateleira abaixo, tem uma caixa de Bis te encarando (opa¿ foi você que comprou!). E como garantir que uma barra de chocolate permaneça fechada até o fíndi? O lema do chocólatra é nunca deixe pra amanhã o cacau que você pode consumir hoje.

A lembrança que tenho das Páscoas da minha infância é muito chocolate estocado em potes que deveriam estar guardando arroz e feijão. Eu e meus irmãos ganhávamos ninhos caprichados. Lembro tão bem dos celofanes coloridos! Sabiamente, a mãe quebrava tudo em pedacinhos e guardava nesses potes pra evitar dor de barriga e fazer o estoque durar meses. A gente precisava subir num banco pra alcançar (eu continuo precisando).

Leia outras colunas da Maga

Pegadas de farinha

Talvez essa fartura tenha acontecido apenas em um ano. Meus olhos de criança registraram como uma lembrança contínua de Páscoa. Os mesmos olhos que uma vez juraram ter visto um coelho enorme entrar no nosso quarto pra deixar as cestas. Depois que tive filhos, continuei alimentando o imaginário infantil com pegadas de farinha pelo chão. E a famosa cenoura na janela, que amanhecia mordida pela coelhona aqui. Coincidência ou não, eles viraram chocólatras. Será genético ou só a força do hábito?

Meio amargo, ao leite, branco, crocante, não importa. Lá em casa, vivemos numa eterna Páscoa. Somos formigas assumidas. O cacau é bem-vindo de segunda a segunda. E o salgado será sempre equilibrado com algo doce. Nada contra o peixe que vai dominar 90% das mesas no almoço de hoje. Mas os verdadeiros chocólatras vão reservar um espaço nobre no estômago pra sobremesa. Chocolate, claro! Feliz Páscoa!


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 

Veja também

Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros