Junior conta que sofria com boatos sobre ser gay: "Colégio tem espírito de gangue" - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Papo sobre bullying01/06/2017 | 14h45Atualizada em 01/06/2017 | 15h50

Junior conta que sofria com boatos sobre ser gay: "Colégio tem espírito de gangue"

O irmão de Sandy contou que precisou fazer terapia e que teve síndrome do pânico

Junior conta que sofria com boatos sobre ser gay: "Colégio tem espírito de gangue" Reprodução / YouTube / Grosteinandrade/YouTube / Grosteinandrade
Junior Lima conversou sobre bullying com o cineasta Fernando Grostein Foto: Reprodução / YouTube / Grosteinandrade / YouTube / Grosteinandrade

Júnior Lima sofreu durante a infância e a adolescência com os boatos sobre sua suposta homossexualidade. A revelação foi feita em um bate-papo no canal do cineasta Fernando Grostein YouTube, seu amigo e irmão do apresentador Luciano Huck.

— Tenho um monte de amigo que é gay, nunca tive problema. Mas, quando me chamavam de gay, no fundo, me incomodava. Eu fingia que não, falava que era assim mesmo, mas ficava (incomodado) — disse o irmão de Sandy.

O músico de 33 anos contou que explicou que o bullying se iniciou na época da escola. Primeiramente, por causa do cabelo que tinha e porque era filho de cantor sertanejo. Depois, passou a envolver sua sexualidade.

— Se você for de frente, é o coitadinho. Então, você dá um jeito de ser o malandrão também. Colégio tem espírito de gangue. Eu tô ligado nas minhas longas horas de terapia, de síndrome do pânico — contou.

Leia mais
VÍDEO: de olhos vendados, jovem desafia pedestres: "Sou gay, você me abraça ou me mata?"

Diversidade sexual deve ser assunto obrigatório com os filhos: saiba como abordar
Como contar para seus filhos que você é homossexual

Aos 33 anos, Junior é casado com a modelo gaúcha Monica Benini, 31. Os dois estão à espera do primeiro herdeiro, Otto. Na conversa com Fernando Grostein, o músico foi questionado sobre o que acharia se o filho fosse gay e contou sobre como o casal pretende educar o bebê.

— Eu só vou amar o que ele quiser ser. Vou dar o suporte para ele ser o melhor ser humano do mundo. Por exemplo, a gente tá montando o quarto dele, e a gente tá escolhendo cores neutras. Nenhuma cor azulzinha, porque é homem, e, se fosse mulher, não seria cor de rosinha — revelou.

Leia mais notícias


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 

Veja também

Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros