Magali Moraes fala sobre mulheres e cabelos: o que há por trás de um corte - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Coluna da Maga30/06/2017 | 10h00Atualizada em 30/06/2017 | 10h00

Magali Moraes fala sobre mulheres e cabelos: o que há por trás de um corte

Magali Moraes fala sobre mulheres e cabelos: o que há por trás de um corte Miguel Neves/Divulgação
Foto: Miguel Neves / Divulgação

"Por que é tão fundamental um homem notar que a mulher cortou o cabelo?" Parei de trabalhar na mesma hora em que ouvi essa pérola, dita obviamente por um colega. E pensei: isso rende coluna. Fundamental é entender o significado do cabelo pra uma mulher. Em vez de explicar só pra ele, resolvi incluir mais gente na conversa. Sim, o papo é com você, amigo leitor. Estou aqui pra te ajudar a prestar mais atenção na alma feminina. Amiga leitora, vem comigo contar pros homens o que há por trás de um corte.

Cabelo é queratina e emoção. É céu e inferno. É autoestima na forma de fios lisos, crespos ou cacheados. É o medo de errar e a coragem de arriscar. É psicologia pura. É se sentir outra pessoa apenas trocando a cor do cabelo. Uma mulher não precisa que um homem aprove seu novo corte. Ela quer mostrar que cortou, simples assim. Pra quem estiver ao redor, homens inclusive. Mais que o corte, quer que notem a mudança que vem de dentro. Por isso, abra seus olhos para as mulheres com quem você convive diariamente.

Leia outras colunas da Maga

Adrenalina

"Ela cortou só dois dedos de comprimento!", disse o meu colega. Podia ter cortado só as pontas, não importa. Também podia ter pedido pra raspar do lado com a máquina. Quando uma mulher senta na cadeira do cabeleireiro, tudo pode acontecer. O coração dispara, a dúvida surge. É muita adrenalina nessa relação de amor e ódio com o cabelo. E se cortar demais? E se o arrependimento bater? Pior é alguém dizer que cabelo cresce de novo.

Deve ser por isso que enrolar uma mecha nos dedos é tão terapêutico. A gente fica calminha! No passado, usei anos cabelo bem curtinho. A cada corte, me sentia empoderada (antes dessa palavra existir). E cortava ainda mais. Depois que deixei crescer, nunca mais tosei. Acho que é cultural o apelo que a gaúcha tem por cabelo. A boa notícia é que existem homens que percebem quando a gente corta. Saibam que vocês moram no nosso coração.


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros