Você gosta muito ou é viciado em sexo? Saiba a diferença!  - Entretenimento

Versão mobile

 

Falando de Sexo28/01/2018 | 20h00Atualizada em 28/01/2018 | 20h00

Você gosta muito ou é viciado em sexo? Saiba a diferença! 

Pode ser normal ter bastante desejo e querer estar sempre pronto para o sexo, porém, a doença é quando não se consegue ter controle.

Andrea Alves e Lucia Pesca


falando de sexo, novo card.
Foto: Reprodução / Reprodução

Tenho 38 anos e sou casado. Não consigo me controlar! Se estou em casa sozinho, me masturbo. Às vezes, até quando estou no trabalho, não resisto e vou ao banheiro para me masturbar. Tenho muitas fantasias, uma delas é por pés femininos. Isso, às vezes, me atrapalha, pois não consigo conversar com uma mulher atraente sem ficar pensando sobre sexo. 

Pode ser normal ter bastante desejo e querer estar sempre pronto para o sexo. Contudo, você diz que não consegue controlar isso. Gostar e ter relações diariamente (inclusive, mais de uma vez) não é ser um compulsivo. A doença é quando não se consegue ter controle toda vez que bate a vontade.

A vida passa a girar em torno do sexo a ponto de outras atividades serem adiadas. As necessidades são tão fortes que não são levadas em conta as relações de alto risco (que geram doenças, não usar camisinha, não saber com quem nem cuidar onde). Além disso, há um alto grau de angústia e de ansiedade. Outra questão é que a compulsão causa sofrimento e prejuízos na vida amorosa e social.

Sintomas e tratamento

Podolatria é um tipo de parafilia (grupo de distúrbios psicossexuais), cujo desejo se concentra nos pés. É o fetichista, que sente tesão por partes do corpo.Para fazer o diagnóstico de compulsão sexual, devem estar presentes, pelo menos, três aspectos: gasto excessivo de energia e tempo na procura por sexo (em vez de trabalhar, estudar ou ficar com a família, a pessoa ocupa-se quase que exclusivamente em manter relações), insatisfação com a vida sexual, que só pode ser compensada por meio de práticas mais intensas e recorrentes, e perda de controle da vida sexual. Procure uma psicoterapia. 

Leia outras colunas de Falando de Sexo



 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros