Ex-integrante do Pussycat Dolls acusa Jay-Z de tráfico de drogas - Entretenimento

Versão mobile

 

Polêmica02/02/2018 | 13h59Atualizada em 02/02/2018 | 15h12

Ex-integrante do Pussycat Dolls acusa Jay-Z de tráfico de drogas

No Twitter, Kaya Jones disse que a gravadora do americano teria sido fundada com o dinheiro do crime

Ex-integrante do Pussycat Dolls acusa Jay-Z de tráfico de drogas Reprodução/Reprodução
Foto: Reprodução / Reprodução
GaúchaZH
GaúchaZH

A cantora canadense Kaya Jones, ex-integrante do Pussycat Dolls, usou as redes sociais para acusar o rapper Jay-Z de tráfico de drogas. Em uma série de mensagens publicadas em seu Twitter, Kaya afirma que a gravadora de Jay-Z foi financiada com o dinheiro de drogas por anos, além de agenciar garotas de programas. 

Leia mais
Relembre os 10 melhores álbuns de rap lançados em 2017
"Beyoncé troca de e-mail toda semana", diz Ed Sheeran
Jay-Z admite que traiu Beyoncé em entrevista a jornal americano

- Dorme com mulheres jovens e promove o ódio à comunidade negra. Ele é um cafetão e traficante de drogas glorificado que está se safando há muito tempo - escreveu. 

Em outra mensagem, ela relatou um episódio onde o americano teria causado confusão com uma arma, em Londres:

"Uma das únicas vezes em que eu vi uma arma ser sacada em público foi com Jay-Z. Eu tinha 18 anos e estava tendo uma noite divertida em Londres quando ele a transformou em uma zona de guerra."


Por fim, ela relacionou o nome da gravadora do magnata do hip-hop com o crack. 

"Ele não fundou sua gravadora vendendo jornal pelo bairro. Ele vendia algo que usou para nomear sua gravadora", publicou Kaya, lembrando que a empresa criada por Jay-Z chama-se Roc Nation. O Roc, segundo Kaya, seria em referência a "rock", que em português significa pedra.

O envolvimento de Jay-Z com o tráfico no passado não chega a ser nenhuma novidade. Em 4:44, álbum lançado pelo rapper no ano passado e com diversas indicações ao Grammy, o cantor fala abertamente sobre o tema em mais de uma oportunidade. Na música Family Feuds, por exemplo, o cantor escreve algo que poderia ser traduzido como "Dane-se o rap, o crack / Não, nós já fizemos isso, agora são empresas controladas por negros". 

Esta não é a primeira vez que Kaya se manifesta na internet e causa polêmica. Em outubro, a artista comparou o seu antigo grupo a um círculo de prostituição e responsabilizou a empresária Robin Antin pelo suicídio de  Simone Battle.  

 
 
 
 
 
 

Mais sobre

 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros