Entenda os riscos da automedicação - Entretenimento

Versão mobile

 

Falando de Sexo06/03/2018 | 12h19Atualizada em 06/03/2018 | 12h19

Entenda os riscos da automedicação

Entenda os riscos da automedicação /
Lucia Pesca e Andrea Alves

Minha namorada está com um pequeno caroço na vagina, e uma amiga nossa disse que deve ser herpes. Mas eu nunca tive herpes! Pode ser realmente este problema?

 Leia outras colunas do Falando de Sexo 

Os sintomas físicos na área genital em cada indivíduo são, aparentemente, semelhantes em sinais, textura e duração. Porém, cada pessoa tem a sua própria fisiologia. Por isso, irá desenvolver as doenças de maneira diferente. O costume da automedicação ou de usar remédios usados por conhecidos que tiveram algo parecido é comum entre as pessoas. 

Mas isso é perigoso! Com este hábito, vocês podem mascarar o início de uma doença mais séria. Procurem um médico em casos como estes, porque somente o exame clínico poderá diagnosticar o que está acontecendo com a sua namorada e qual a melhor conduta a ser aplicada em seu caso.


Orientação


Procurar um ginecologista faz algumas meninas, principalmente as mais jovens, ficarem com medo de que o médico pense que ela está louca para transar. Mas isto é um grande engano. 

É importante saber que esta consulta inicial poderá ser apenas de esclarecimento das dúvidas: funcionamento do aparelho reprodutor, os métodos contraceptivos mais indicados para o seu corpo, a necessidade do preservativo como única forma de prevenir das doenças sexualmente transmissíveis e qualquer outra questão que a paciente possa ter.


Muitas informações chegam à jovem de forma incompleta ou equivocada. Cabe ao profissional orientá-la com recomendações cientificamente corretas.

Se você tem dúvidas ou sugestões de assunto, escreva para falandodesexo@diariogaucho.com.br

 Leia outras colunas do Falando de Sexo 


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 

Veja também

 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros