Após sete anos de separação, ex-BBB Kaysar reencontra família síria no Brasil - Entretenimento

Vers?o mobile

 
 

Encontro esperado23/09/2018 | 13h22Atualizada em 23/09/2018 | 13h22

Após sete anos de separação, ex-BBB Kaysar reencontra família síria no Brasil

Desejo do refugiado de rever pai, mãe e irmã era constantemente expressado ao longo do reality, do qual saiu vice-campeão

Após sete anos de separação, ex-BBB Kaysar reencontra família síria no Brasil Reprodução/Instagram
Kaysar recebeu a família no Aeroporto de Curitiba Foto: Reprodução / Instagram
GaúchaZH
GaúchaZH

Quem acompanhou o Big Brother Brasil 18  ficou ciente do drama familiar do sírio Kaysar Dadour, separado de pai, mãe e irmã ao sair do país em guerra para trabalhar de garçom no Brasil. Na noite de sábado (22), a distância finalmente foi encurtada: o vice-campeão do reality pode matar a saudade e fazer foto em família quando recepcionou o trio no Aeroporto Internacional Afonso Pena, na Grande Curitiba.

O encontro ocorreu após cerca de sete anos, de acordo com relatos do próprio Kaysar durante o programa. Com frequência, ele falava do sonho de trazer a família ao Brasil. Ele veio em 2014 parar morar com parentes distantes em Curitiba. Antes disso, viveu na Ucrânia.

O anúncio do encontro foi feito no dia 18, possivelmente quando os voos de Diana, a mãe, Giorgio, o pai, e Celine, a irmã, foram confirmados. A espera ganhou direito a contagem regressiva: ao longo do sábado, Kaysar atualizou as redes sociais para mostrar o preparo para recebê-los. Por volta das 19h, publicou a foto que muitos fãs aguardavam: a família síria reunida segurando uma bandeira do Brasil. "Tô com minha linda família", comemorou Kaysar.

Celine Dadour, a irmã de Kaysar, publicou uma foto com os pais no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, onde o trio parou para fazer escala antes de chegar a Curitiba. Em seguida, exibiu uma foto com o irmão mais velho em que os dois vestiam camisetas customizadas em homenagem ao Brasil.

Ao mesmo tempo em que os fãs de Kaysar se solidarizavam com a saudade que o sírio sentia dos familiares, também duvidavam de sua verdadeira condição. Diferentemente da maioria dos refugiados, ele tinha uma vida de classe média em Alepo, capital da Síria. Por outro lado, há relatos de pessoas próximas dizendo que ele perdeu uma namorada no conflito e que de fato se viu forçado a deixar para trás sua vida e sua família. Seu primeiro destino foi a Ucrânia, para onde migrou em 2011.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros