Conheça os gaúchos da banda A Trinca que ficaram conhecidos no Nordeste - Entretenimento

Versão mobile

 

Estrelas da Periferia11/09/2018 | 07h00Atualizada em 11/09/2018 | 07h00

Conheça os gaúchos da banda A Trinca que ficaram conhecidos no Nordeste

Projeto de Canoas investe no reggae e tem músicas que tocam em rádios da Bahia e do Maranhão


 CANOAS, RS, BRASIL, 10/09/2018 - Estrelas da Periferia: Banda A Trinca, de pop e reggae. (FOTOGRAFO: JÚLIO CORDEIRO / AGENCIA RBS)
Chris (esquerda) e Xandy: enquanto um começou no nativismo, o outro era da música gospelFoto: Júlio Cordeiro / Agencia RBS

Em 2009, os músicos Chris e Xandy, do bairro Nossa Senhora das Graças, em Canoas, começaram a dar vida a um sonho que viria a se tornar realidade somente seis anos depois, em 2015. 

Na época, os dois amigos trilhavam caminhos bem diferentes um do outro. Enquanto Chris tocava como apoio com nomes de expressão da música gaúcha, como Gaúcho da Fronteira e Walter Morais, Xandy atuava no gospel.

— Em comum, sempre tivemos o prazer pelo palco. Então, nada mais natural do que pensarmos em uma parceria. E sempre acreditei que a soma das nossas diferenças daria para a banda uma estética única — comenta Chris, 40 anos.

Conheça outras histórias de Estrelas da Periferia

Inspiração

Em 2015, depois de muitos planos, os amigos decidiram fundar A Trinca, que tinha, inicialmente, além de Xandy, 43 anos, e Chris, Fernando Luz. Este acabou deixando o projeto em 2017. Investindo em um reggae mais praiano, como eles definem, e inspirado em nomes como Armandinho e Natiruts, os amigos começaram a ficar conhecidos na noite de Canoas e arredores. 

Para a surpresa dos amigos, em três anos de A Trinca, faixas próprias, como Dia de Sol, chegaram a tocar em mais de 100 rádios gaúchas, distribuídas por mais de 80 municípios. E, para a alegria dos músicos, as canções também chegaram a dois lugares clássicos do reggae no país: São Luiz do Maranhão e interior da Bahia.

— São lugares fortes para quem gosta do gênero, se consome muito reggae por lá —  destaca Xandy.

Sonho nacional 

Foi então que, em março de 2018, dividindo o tempo entre a dupla A Trinca e projetos paralelos, eles lançaram o seu primeiro EP, batizado de Lugar de Calmaria. Das cinco faixas, duas foram compostas por Xandy: Lugar de Calmaria e Praia, Sol e Mar. Já Dia de Sol e Alma são de Nando Rocha, e Tempo, de Marcelo Duani. 

Além de consolidar-se no Rio Grande do Sul, os amigos têm como sonho emplacar uma música na Rádio Atlântida (94.3 FM). E, claro, levar o projeto gaúcho para capitais  como São Paulo e Rio de Janeiro. 

Em tempos em que as estratégias de lançamento nas mídias digitais fazem parte do dia a dia da maioria dos músicos, os canoenses não ficam atrás no quesito:

— Sempre damos um tempo entre o lançamento de uma canção e outra. Assim, a gente não "queima" o EP de uma vez só. O cara ouve uma música em um dia. E, no dia seguinte, você tem que gerar algo novo — analisa Chris.  

Pitaco de Quem Entende

Vanessa, da dupla com Claus, curtiu o som da dupla A Trinca:

— Parabéns pelo trabalho! O vocalista canta muito, "vibe" boa, escutei bem alto, curtindo muito! Adorei a produção e a presença do sopro. Uma regueira confirmada. 

Participe!

— Para participar da seção, mande um pequeno histórico da sua banda, dupla ou do seu trabalho solo, músicas, vídeos e um telefone de contato para o e-mail jose.barros@diariogaucho.com.br.

— Se quiser falar com o pessoal de A Trinca, é só ligar para o telefone 9134-6078.



 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros