De Rubem Berta para o Brasil: é o pagode pop de Hally - Entretenimento

Versão mobile

 

Estrelas da Periferia18/09/2018 | 08h00Atualizada em 18/09/2018 | 11h39

De Rubem Berta para o Brasil: é o pagode pop de Hally

Músico dá pontapé inicial na carreira solo com projeto ambicioso

De Rubem Berta para o Brasil: é o pagode pop de Hally André Ávila/Agencia RBS
Pronto para voar! Foto: André Ávila / Agencia RBS

Uma mistura que deu certo. Assim pode ser traduzido o trabalho de Hally Barcelos, músico do bairro Rubem Berta. Aos 27 anos, ele dá os primeiros passos na carreira solo e já tem uma agenda promissora, com shows marcados em Porto Alegre e Região Metropolitana.

Hally define seu som como um "pagode pop":

— Misturo a batida do samba com uma pegada de R&B (Rhythm and blues) na voz, ousando nos arranjos.

Não à toa, as referências de Hally são diversificadas:

— Usher, Thiaguinho, Michael Jackson, Fundo de Quintal... Usei todas essas referências na mistura do meu som.

Trajetória

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 2018.09.14 - Estrelas da Periferia, com Hally, do bairro Rubem Berta. (Fotos: ANDRÉ ÁVILA/ Agência RBS)
Desde cedinho, nos palcos da vidaFoto: André Ávila / Agencia RBS

A história do cantor no mundo da música começou cedo. Aos oito anos, já cantava no coral da escola, com apresentações pela cidade e em datas comemorativas. Aos 16, começou a ter aulas de teoria e prática musical no Prosepa (Programa Social Educativo de Profissionalização de Adolescentes). Foi no projeto que o jovem conheceu o professor Jair Tristão, que o convidou para fazer parte do grupo Opçamba, primeiro passo na carreira profissional de Hally.

Depois de seis anos na banda, Hally trabalhou como backing vocal do cantor Kadinho, conhecido músico da Capital. 

— Fiquei um ano cantando nas melhores casas noturnas de Porto Alegre — lembra Hally, orgulhoso.

Em seguida, veio a oportunidade de participar do grupo Pagode A, que marcou a carreira de Hally durante três anos.

— Gravamos o primeiro EP da banda com musicas autorais e uma canção do Thiaguinho. O trabalho foi gravado em São Paulo e tocou em todas as rádios do Rio Grande do Sul. 

Novo caminho

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 2018.09.14 - Estrelas da Periferia, com Hally, do bairro Rubem Berta. (Fotos: ANDRÉ ÁVILA/ Agência RBS)
Sem fronteirasFoto: André Ávila / Agencia RBS

O dia 1º de setembro marcou o início da carreira solo de Hally, um projeto intitulado Meu Caminho. Mas que caminho é este que o jovem músico almeja?

— Meus sonho e poder cantar por todo o Brasil, levar a minha música, todo o meu sentimento para as pessoas em forma de música. E que as pessoas consigam conhecer um pouco mais sobre o Hally. Minha meta é sempre ir em frente, superar os ciclos.

Nos shows, Hally aposta nos estilos que traz como referências, com a pegada autoral que deve marcar seu trabalho daqui pra frente. São vários formatos de apresentação: acústico, voz e violão e show com banda completa.

Neste novo ciclo, o próximo passo é o lançamento da primeira música de trabalho, Ela Tá que Tá. Além de disponibilizar a canção nas plataformas digitais, Hally promete um material interativo e inovador no YouTube.

Na página oficial do Facebook, Hally resume o que marca sua trajetória:

"Estou no controle do meu caminho e do meu jeito vou te fazer entender."

Pitaco de Quem Entende

Lelê, vocalista do Louca Sedução, curtiu o som de Hally:

— Bom cantor, voz muito agradável e super afinado, está pronto para o sucesso. O meu toque apenas seria ele trabalhar mais a parte instrumental, do restante gostei muito! Forte abraço e Sucesso!

Participe!

— Para participar da seção, mande um pequeno histórico da sua banda, dupla ou do seu trabalho solo, músicas, vídeos e um telefone de contato para o e-mail michele.pradella@diariogaucho.com.br.

— Para contatar o Hally, é só ligar para o telefone 99879-5945, falar com Rodrigo.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros