Michele Vaz Pradella: "O ritmo ideal de uma novela" - Entretenimento

Versão mobile

 

Noveleiros03/11/2018 | 10h00Atualizada em 03/11/2018 | 10h00

Michele Vaz Pradella: "O ritmo ideal de uma novela"

Algumas histórias precisam de mais tempo para serem apreciadas

Michele Vaz Pradella: "O ritmo ideal de uma novela" João Miguel Júnior/TV Globo/Divulgação
Cris tenta desvendar o passado Foto: João Miguel Júnior / TV Globo/Divulgação

Uma boa novela precisa ser ágil, apresentar soluções ágeis e sem "cozinhar" demais o telespectador, certo? Depende. Há histórias que merecem — e precisam — ser degustadas aos poucos, como se fossem um prato saboroso ou um bom vinho. 

É o caso de Espelho da Vida, atual trama das seis. Li várias críticas ao ritmo lento da história, que poderia afastar o público. Discordo. O desenrolar de duas vidas, de Cris e Julia, ambas interpretadas por Vitória Strada, precisa ser feito aos poucos. Os fios vão se juntando, até se entrelaçarem, mais adiante. Se tudo acontecesse rápido demais, enredaria tudo. É como disse sabiamente Janete Clair (1925-1983), criadora de clássicos da telinha como Irmãos Coragem (1970), O Astro (1977) e Pai Herói (1979), "novela é um novelo que vai se desenrolando aos poucos". 

Mistérios de duas vidas

julia castelo e o pai, espelho da vida
Como Julia, muitas descobertasFoto: TV Globo / Reprodução

Cris decifra o Espelho da Vida de Julia Castelo aos poucos, conhece sem pressa as pessoas que fizeram parte de sua vida passada e, assim, vai descobrindo a si mesma e as relações de sua atual existência. A graça é justamente esta, seguirmos juntos, devagarinho, nesta intrigante jornada.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros