Com inspiração na Turma do Pagode, conheça a banda Art Boa, da Restinga - Entretenimento

Vers?o mobile

 
 

Estrelas da Periferia25/06/2019 | 07h00Atualizada em 25/06/2019 | 07h00

Com inspiração na Turma do Pagode, conheça a banda Art Boa, da Restinga

Pagodeiros do Art Boa apostam em canções que tratam de temas ligados a situações do dia a diade suas comunidades, sempre com muita animação.

Há pouco mais de um ano, Fernando (pandeiro) e Jé Art (percussão), após algumas experiências em bandas anteriores, resolveram montar um grupo especialmente para tocar no aniversário de um amigo em comum. Sem noção do que estava por vir, surgia ali o grupo de pagode Art Boa, que tem integrantes da Restinga, na zona sul da Capital, e da Lomba do Pinheiro, na zona leste. 

 PORTO ALEGRE - RS - BR - 22.06.2019Estrelas da Periferia.Banda Art Boa, da Restinga.FOTÓGRAFO: TADEU VILANI AGÊNCIA RBS
Músicos fundaram a banda há cerca de um anoFoto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Porém, como queriam se diferenciar de outras bandas da Capital, os músicos buscaram inspiração em nomes gaúchos, como o Louca Sedução e o Pagode do Dorinho, conhecidos por cantar temas mais locais. Além deles, o Art Boa bebeu na fonte de uma das principais referências do gênero no país, na atualidade, a Turma do Pagode.

— A gente se espelhou muito na Turma do Pagode. Eles têm um estilo alegre, pra cima, que nos agrada mais, diferentemente dos outros que tocam, basicamente, pagode romântico. Já a Turma consegue mesclar bem, mas sem perder a alegria. Esse é o nosso estilo — afirma Jé. 

Conheça outras histórias de Estrelas da Periferia

Pé na comunidade

Além da animação, Jé afirma que o fato de o grupo cantar situações do dia a dia de moradores da Restinga vem ajudando a banda a ter uma grande identificação com a galera do bairro: 

– Temos um bom reconhecimento. Fazemos festas nas duas principais quadras da Restinga: a União da Tinga e a Estado Maior da Restinga. E, pelo fato de um integrante ser da Lomba (do Pinheiro), também temos boa aceitação lá. Isso é um diferencial. A banda tem de ter uma identidade, uma ligação com a sua comunidade 

Um dos primeiros lançamentos dos pagodeiros é a canção Recalcada, composta por Régis, irmão de Jé. Nos próximos dias, a banda deve entrar em estúdio para fazer a gravação da faixa. 

– Ainda temos o sonho de gravar um CD e de tocar nas grandes casas de Porto Alegre – diz Jé.

Ficou curioso para conhecer o som dos guris? Pois nesta quarta (26), no Paris Pub (Riachuelo, 1.500, no Centro da Capital, a partir das 19h), eles se apresentam com entrada franca!

Ainda integram a banda Robson (cavaco), Fernando (pandeiro), Fininho (rebolo), Douglas (reco-reco e vocal), Henrique (surdo) e Carlos (violão).

Mostre seu trabalho na seção!

— Para participar da seção, mande um pequeno histórico da sua banda, dupla ou do seu trabalho solo, músicas e vídeos e um telefone de contato para jose.barros@diariogaucho.com.br.

— Para falar com a banda, ligue para 98653-4254.


Pitaco de Quem Entende 

Tuty, vocalista do Pyração, fala sobre o trabalho do Art Boa:

— É um grupo promissor, com um vocalista de qualidade. Acho fundamental que a banda mantenha as suas ligações estreitas com a comunidade.  E também acho legal que eles, mesmo com pouco tempo de banda, invistam em músicas próprias. 

 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros