Público vibra com surra de Jô em "A Dona do Pedaço" - Entretenimento

Vers?o mobile

 
 

Noveleiros06/08/2019 | 07h52Atualizada em 06/08/2019 | 08h24

Público vibra com surra de Jô em "A Dona do Pedaço"

Maria da Paz partiu pra cima da filha com toda a fúria

Público vibra com surra de Jô em "A Dona do Pedaço" Artur Meninea/GShow
Foto: Artur Meninea / GShow

 Milhões de telespectadores vidrados em frente à telinha, alguns até prepararam a pipoca e sentaram confortavelmente no sofá _ coisa rara hoje em dia. Não era final de Copa do Mundo, Gre-Nal ou Plantão da Globo. O momento mais aguardado dos últimos meses foi uma surra. UFC? Que nada! A expectativa era pela lição que Josiane (Agatha Moreira) levaria de Maria da Paz (Juliana Paes) em A Dona do Pedaço

No final de capítulo de sábado, dia 3, já rolou uma prévia do que estava por vir. Um tapa da mãe deixou a filha ingrata chocada. E o público, de alma lavada. Mas Walcyr Carrasco guardou a melhor parte para o início da semana.

 Na continuação da sequência, exibida nesta segunda, Maria desferiu outros tapas na vilãzinha, além de umas boas palmadas e puxões de cabelo. 

Foto: Raquel Cunha / TV Globo

 A melhor reação foi a de Evelina (Nivea Maria), que impediu Ellen (Rosane Gofman) de separar a briga. Afinal, ela sabia desde o início que a neta merecia uma lição. Régis (Reynaldo Gianecchini) chegou para apartar, com o olhar desesperado de quem pensava ter sido desmascarado junto com a amante. Não foi desta vez. Mas a hora do pilantra está chegando. 

Foto: Raquel Cunha / TV Globo

 Não é de hoje que esse tipo de cena provoca tanta ansiedade no público noveleiro. Quem não se lembra do acerto de contas entre Maria Clara (Malu Mader) e Laura (Claudia Abreu), em Celebridade? Ou do momento de fúria de Maria do Carmo (Susana Vieira) quando finalmente encontrou a vilã Nazaré (Renata Sorrah), em Senhora do Destino. Vibramos quando um vilão se dá mal. Melhor ainda quando o mocinho — até então impotente e passivo às maldades — perde a compostura e parte pra cima do rival.

É o que a filosofia chama de catarse. O despertar de emoções contidas, um momento de purificação. Quando isso acontece na ficção, nos sentimos "vingados". É como se estivéssemos ajudando o personagem a desferir cada bofetada no vilão. Do lado de cá da telinha, confortavelmente, resta o alívio de não precisarmos sujar nossas mãos para ver a maldade ser destruída. 

Nas redes sociais, o público vibrou com o barraco entre mãe e filha:


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros