Xuxa desabafa sobre abusos sexuais sofridos na infância: "Me sentia culpada apenas por existir" - Entretenimento

Vers?o mobile

 
 

Violência26/11/2019 | 13h12

Xuxa desabafa sobre abusos sexuais sofridos na infância: "Me sentia culpada apenas por existir"

"É difícil, pois tenho que reviver todos os sentimentos: culpa, raiva, impotência e medo", escreveu a apresentadora em coluna de revista

Xuxa desabafa sobre abusos sexuais sofridos na infância: "Me sentia culpada apenas por existir" Reprodução / Instagram/Instagram
"Não sabia distinguir o que sentia, por isso não chorava e nem reclamava com ninguém sobre o acontecido", escreveu ela Foto: Reprodução / Instagram / Instagram

A apresentadora Xuxa Meneghel relembrou diversos episódios de abuso sexual que sofreu na infância em sua coluna para a revista Vogue desta segunda-feira (25). No texto, começou afirmando que foi o episódio mais difícil que já viveu em seus 56 anos, e que não é fácil escrever sobre o assunto, pois tem que reviver todos os sentimentos de culpa, raiva, impotência e medo.

Entretanto, decidiu fazer a coluna porque quer ajudar quem já passou e passa por situações semelhantes. 

Em seu primeiro relato de abuso, Xuxa não revela detalhes de quem o cometeu, mas o contextualiza no Sul, na época em que dormia com toda a família após o almoço.

"Me lembro de um cheiro de álcool de alguém, uma barba que machucou o meu rosto e algo que foi colocado na minha boca. Acordei dizendo que alguém tinha feito xixi na minha boca e meus irmãos disseram que eu tinha sonhado. Essa foi minha primeira experiência com abuso sexual", escreveu.

Seu segundo relato data de quando tinha por volta de cinco anos, em viagens que fazia com primos distantes e amigos da família em uma kombi.

"Sentia tocarem em mim, colocavam o dedo, doía, não sabia distinguir o que sentia, por isso não chorava e nem reclamava com ninguém sobre o acontecido.  Essa mesma pessoa vinha ao Rio quando eu já tinha entre nove e 10 anos, e, quando a família dormia, colocava seus dedos por debaixo dos lençóis e me tocava", detalhou.

Xuxa também sofreu abuso no colégio de um professor de matemática chamado Maurício:

"Me chamou depois da aula e, mesmo na frente da minha amiga Yara, disse que queria me deixar só de calcinha e colocar nas minhas coxas. Me perguntava: o que seria isso? Foi então que eu vi pela primeira vez alguém se masturbar", contou.

Os abusos vieram inclusive do namorado da sua avó da época.

 "Eu ia ao apartamento dela, ficava vendo TV e o futuro “vovô” ficava perto e me fazia carinho até que minha vó fosse costurar e ele pedia para eu sentar no colo dele. Às vezes ele tomava banho e deixava a porta aberta. O barulho que minha vó fazia enquanto cozinhava ou costurava o deixava livre para vir até a porta se tocar me olhando. Eu não entendia por que ele fazia isso e nunca perguntei nada. Então ele começou a tocar meus futuros peitos - sim ainda não tinha nada a não ser um mamilo um pouco maior. Uma vez vendo TV, ele acariciou meu cabelo, o cheirou e logo depois desceu a mão para os meus (quase) seios e os apertou. Doeu e eu o fiz parar, e ele disse que era só um carinho e que só o “vovô” podia fazer porque me amava como neta", desabafou. 

Por fim, Xuxa desabafou sobre um abuso que sofreu aos 13 anos por seu padrinho, melhor amigo do seu pai.

"Eu estava de biquíni e camisetão. Ele tentou beijar minha boca. Me lembro que chovia e eu saí correndo pela rua até chegar na praia. Chorava muito, peguei um punhado de areia e passava no meu corpo para limpar toda sujeira que estava impregnada há anos", escreveu.

Para encerrar a coluna, Xuxa desabafou sobre o sentimento de culpa que a perseguiu, e comentou sobre seu desejo de dar voz às crianças que passam por isso.

"Nós geralmente não queremos falar, porque é feio, porque não é certo, porque aprendemos que sempre tem que ter um culpado numa situação como essa. E é claro que nos sentimos culpados - eu me sentia culpada apenas por existir. Dos quatro até os meus 13 anos, eu passei por várias situações que me fizeram ter mania de limpeza. Tomo de três a quatro banhos por dia. (...) Hoje, quero emprestar minha voz em campanhas paras crianças que não falam, não gritam e choram sozinhas. Eu preciso fazer isso por elas, já que não fiz por mim", concluiu.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros