Michele Vaz Pradella: As mudanças que enriqueceram "Éramos Seis" - Entretenimento

Vers?o mobile

 
 

Noveleiros25/01/2020 | 10h00Atualizada em 25/01/2020 | 10h00

Michele Vaz Pradella: As mudanças que enriqueceram "Éramos Seis"

Destino de Lola pode ser menos sofrido do que na história original

Michele Vaz Pradella: As mudanças que enriqueceram "Éramos Seis" Estevam Avellar/TV Globo/Divulgação
Lola merece um novo amor Foto: Estevam Avellar / TV Globo/Divulgação

Quem acompanha a atual versão de Éramos Seis e conhece um pouco da história original deve ter percebido que há muitas diferenças entre o livro de Maria José Dupré (1898-1984) e a novela que está no ar. As adaptações anteriores também trouxeram elementos distintos da obra, mas nunca tão distante da versão literária.

A principal mudança diz respeito à vida amorosa de Lola (Gloria Pires). No livro e nas adaptações televisivas anteriores, a matriarca da família Lemos passa o resto de seus dias solitária após ficar viúva. Agora, muito por conta da vontade do público, Lola se rendeu às investidas de Afonso (Cassio Gabus Mendes). 

Química antiga

éramos seis, Shirley ( Barbara Reis )
Shirley pode ser a pedra no sapato do novo casalFoto: Raquel Cunha / TV Globo/Divulgação

O casal que começa a se formar na trama das 18h leva em conta a sintonia perfeita de Gloria e Cassio, uma química antiga, que vem desde os tempos de Maria de Fátima e Afonso, em Vale Tudo (1988). Os dois repetiram o par romântico em Babilônia (2015). Em Éramos Seis, se Shirley (Bárbara Reis) não atrapalhar, Lola deve ter seu final feliz ao lado de Afonso, bem diferente do desfecho da protagonista no livro. Ela merece.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros