"A Bom Jesus é um lugar de grandes artistas, de músicos, jogadores de futebol", diz rapper do grupo Geração Griô - Entretenimento

Vers?o mobile

 
 

Estrelas da Periferia16/03/2020 | 18h18Atualizada em 16/03/2020 | 18h18

"A Bom Jesus é um lugar de grandes artistas, de músicos, jogadores de futebol", diz rapper do grupo Geração Griô

Grupo foi fundado em 2016 e fundou a banda com canções políticas

Do bairro Bom Jesus, zona leste da Capital, vem o Geração Griô. A banda surgiu do sonho de um dos rappers, Khallid, de trabalhar com o gênero. Fundado em 2016, o grupo foi criado a partir da amizade de Khallid, Epil, Lp do Rap e Amaral.  

 PORTO ALEGRE -RS BR - 14.03.2020Estrelas da Perifeiria  -  Grupo de rap Geração Griô.Fotógrafo: TADEU VILANI AGÊNCIA RBS  EDITORIA DG
Grupo pretende lançar um EP neste anoFoto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

— O primeiro som do Geração Griô, na verdade, era para ser uma ideia minha, queria fazer uma música para mim. Mas, no fim de 2015, estávamos na casa do Epil. Naquele dia, o Amaral escreveu uma música, nos levou a uma ideia que virou o primeiro som do grupo: A Vista Mais Bela. Aí, se criou o Geração Griô, quase por acaso — explica Khallid.

Leia outras colunas

Cenário familiar

No começo do grupo, segundo Khallid, a proposta das letras era mais política, como foi o caso da faixa Malik Chic, que faz referência à operação Lava-Jato e também bate forte na corrupção:

— Essa é a música mais política que temos. Estudei bastante o que estava acontecendo no país, me empenhei bastante para escrever. Essa letra é massa. 

A faixa foi gravada no bairro de origem do grupo: a Bonja, como é conhecido o Bom Jesus. E a região não serve somente de cenário, como afirma Khallid. 

— Bom Jesus é tudo para nós. Nos acolheu de uma forma como nenhum outro local acolheria. Acho que, se eu morasse no Bom Fim, por exemplo, não escreveria músicas, não seria o que sou hoje.  A Bonja nos ensina — conta o músico, que completa: 

— A gente pode chegar longe mesmo sendo da Bom Jesus. É um lugar de grandes artistas, de músicos, jogadores de futebol.  A gente tenta mostrar pros outros que nossa comunidade não é tão ruim como se fala por aí. Aqui, se vê alegria na tia que vende pastel, na tia que faz faxina, mesmo no meio de tanto caos.  

Com o passar dos anos, os músicos começaram a notar que o mercado "pedia" canções mais comerciais. Então, precisaram mesclar o repertório com faixas românticas e políticas. Assim, surgiu A Noite Toda. 

— O grupo sempre teve um viés político muito forte. Mas, ultimamente, fazemos músicas mais leves, românticas. Temos contas a pagar. Mas, mesmo nas faixas românticas, a gente preza pelas questões sociais — diz Khallid. 

Fazendo shows em outras comunidades da Capital e na Região Metropolitana, Geração Griô pretende, ainda neste ano, lançar seu primeiro EP. 

Pitaco:

Emerson, vocalista do Pyração, fala sobre o trabalho da banda Geração Griô:

— Muito bom o som deles. É fundamental que apareçam grupos de rap com mensagens fortes, como o Geração. E também é legal que estejam atentos ao mercado, lançando músicas mais românticas, como A Noite Toda. Destaco ainda a produção e as imagens do clipe da faixa Malik Chic. De primeira, com muita qualidade. 

Aqui, o espaço é todo seu:

— Para falar com o grupo, ligue para 98644-5549.

— Para participar da seção, mande um pequeno histórico da sua banda, dupla ou do seu trabalho solo, músicas, vídeos e um telefone de contato para jose.barros@diariogaucho.com.br.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros