Vaginismo: conheça as causas e o tratamento - Entretenimento

Vers?o mobile

 
 

Falando de Sexo28/04/2020 | 17h07Atualizada em 28/04/2020 | 17h08

Vaginismo: conheça as causas e o tratamento

Cerca de 5% da população feminina sofre com algum grau desta condição

Andrea Alves e Lucia Pesca

Eu e minha namorada não conseguimos fazer sexo com penetração. Não tem jeito: ela fica tensa, e a vagina se fecha. Além disso, não aceita fazer um exame ginecológico para verificar o que está ocorrendo. Podem falar sobre isso?

falando de sexo, novo card.
Foto: Reprodução / Reprodução

Sua namorada pode estar sofrendo de vaginismo, que é um distúrbio sexual grave. A boa notícia é que tem tratamento. Cerca de 5% da população feminina sofre com algum grau desta condição, que é caracterizada pela contração involuntária dos músculos da região pélvica e do canal vaginal, o que impossibilita a penetração. 

O vaginismo é desencadeado por fatores psicológicos, que acabam interferindo na parte física. Esse distúrbio divide-se em três tipos: criação repressora com base em informações erradas ou ausentes sobre relações sexuais, questões religiosas que associam o sexo ao pecado, trauma sexual anterior (como abusos ou estupros) e hostilidade à figura masculina (quando a mulher pode ter presenciado ou sofrido maus tratos).

Leia outras colunas

Traumas emocionais

O vaginismo é desencadeado por fatores psicológicos, que acabam interferindo na parte física. Esse distúrbio divide-se em três tipos.

- Primário: quando a mulher sempre manifestou dificuldade em ser penetrada, desde a iniciação sexual.

- Secundário: ela já teve momentos de atividade sexual normal, com penetração peniana, e, por algum motivo ou trauma, não consegue mais manter uma relação sexual completa. 

- Situacional: apresenta contração involuntária quanto à presença de algum fator, que pode ser um parceiro específico, tipo de objeto a ser penetrado, local ou ambiente onde ocorre a prática sexual. 

O tratamento consiste em acompanhamento psicoterapêutico junto com o trabalho de um ginecologista. Começa com sessões de relaxamento e conscientização corporal, fazendo com que a mulher passe a se conhecer e a perceber as reações que estão ocorrendo em seu corpo. O processo de cura é lento e delicado e requer muita paciência.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros