Consumo consciente e moda sob medida: costureiras se destacam em tempos de pandemia - Entretenimento

Versão mobile

 
 

92 Mais Mulher21/05/2020 | 08h37Atualizada em 21/05/2020 | 08h44

Consumo consciente e moda sob medida: costureiras se destacam em tempos de pandemia

A moda customizada, que já estava em alta, será cada vez mais valorizada 

Consumo consciente e moda sob medida: costureiras se destacam em tempos de pandemia Carlos Macedo/Especial
Moda feita sob medida Foto: Carlos Macedo / Especial
Mariane Araújo
Mariane Araújo

Na próxima segunda-feira, dia 25, é celebrado o Dia da Costureira. De acordo com a Associação Brasileira de Vestuário (Abravest), o trabalho destas profissionais movimenta, em média, R$ 4,5 bilhões por ano. A moda customizada já estava em alta mesmo antes da pandemia e, a partir de agora, tudo indica que será ainda mais valorizada.

Hoje, encomendar roupas de costureiras é sinônimo de consciência social, ou seja, comprar do pequeno empreendedor, fazer roupas com a vizinha que costura e prestigiar a moda feita sob medida significa que estamos fazendo a economia local girar. Confira o que o especialista Orson Cândido Benedetto e a costureira Márcia Schauren pensam sobre essa tendência.

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 08/10/2013. Costureira Corina Frigeri Wainstein, que completa 90 anos no dia 15 de outubro e segue costurando. Ela é uma das costureiras mais famosas de Caxias do Sul. Detalhes dos apetrechos de costura. (Porthus Junior/Pioneiro)
Hoje, encomendar roupas é sinônimo de consciência socialFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

Mudança no comportamento

O coordenador dos cursos de Moda do Senac Novo Hamburgo, Orson Cândido Benedetto, também acredita na valorização das costureiras, profissionais que, para ele, são verdadeiras artistas:

— Peças feitas sob medida ou até de lojas, mas que são modificadas por costureiras, são cada vez mais usadas pelas pessoas que procuram por exclusividade.

Tendência

Segundo Orson, a tendência pode se intensificar ainda mais nos próximos meses.

— Faz parte de uma grande mudança no comportamento das pessoas. Um dos motivos é por reduzir custos, já que podemos transformar o que já temos por uma fração do valor de uma peça nova — alerta o docente, que completa: 

— Outro fator é que começamos a perceber que temos que nos apoiar regionalmente, comprar do pequeno mercado, fazer roupas com a costureira do bairro. Temos a exclusividade das peças, pois, se foi feita para mim, ninguém mais terá igual. As pessoas também estão cada vez mais preocupadas com o impacto que o consumo exagerado causa no ambiente.

Correria para agilizar o atendimento

Márcia Schauren, 43 anos, aluna do curso de Técnicas de Corte e Costura do Senac e costureira
Com a confecção de máscaras, Márcia aumentou seu faturamentoFoto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Márcia Schauren, 43 anos, aluna do curso de Técnicas de Corte e Costura do Senac, analisa o atual momento sob uma perspectiva positiva. A costureira de Ivoti diz que a confecção de máscaras está uma loucura e que, agora, já tem outras encomendas em vista.

— Toda situação ruim tem um lado bom. Para mim, esse foi um momento maravilhoso, corrido, de muito trabalho, mas com retorno financeiro excelente — conta a costureira.

Adaptação

A profissional afirma que precisou adaptar seus projetos ao novo panorama.

— Neste momento, a procura maior é por máscaras. Isso faz com que eu deixe um pouco de lado o meu projeto, que é a confecção de pijamas, moletons e vestuário em geral. Mas entre uma e outra conversa, várias pessoas que adquiriram máscaras já deixaram pedidos de outros produtos meus — afirma.

Questionada sobre o impacto da pandemia de coronavírus em sua vida profissional, fiquei feliz em descobrir que o pesadelo foi transformado em uma correria para atender aos pedidos frequentes:

— O mais gratificante é a satisfação de quem comprou e recomendou para amigos, colegas ou vizinhos. Me senti muito grata, sinal de que o produto foi muito bem aceito.

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 08/10/2013. Costureira Corina Frigeri Wainstein, que completa 90 anos no dia 15 de outubro e segue costurando. Ela é uma das costureiras mais famosas de Caxias do Sul. Detalhes dos apetrechos de costura. (Porthus Junior/Pioneiro)
Momento é de valorizar os pequenos negóciosFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

DEIXA EU TE CONTAR

Hoje, optei por trazer um relato otimista para dizer que, sim, podemos superar e vamos vencer esta crise. Assim como a Márcia, de Ivoti, muitas mulheres estão lutando diariamente para ter o seu trabalho reconhecido. Acredite, confie e faça o seu melhor para colher os frutos. O começo é sempre mais trabalhoso: não importa a área de atuação, mas sua dedicação faz toda a diferença. 

Deixo aqui um questionamento: o que você está fazendo para progredir?

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros