Morre a atriz e radialista Daisy Lúcidi, vítima do coronavírus - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Rio de Janeiro07/05/2020 | 09h12

Morre a atriz e radialista Daisy Lúcidi, vítima do coronavírus

Aos 90 anos, artista estava internada desde o dia 25 de abril

Morre a atriz e radialista Daisy Lúcidi, vítima do coronavírus Alex Carvalho/TV Globo/Divulgação
Daisy Lúcidi na novela "Passione", em 2010, onde viveu a cafetina Valentina Foto: Alex Carvalho / TV Globo/Divulgação
GaúchaZH
GaúchaZH

Morreu, na madrugada desta quinta-feira (7), aos 90 anos, a atriz e radialista Daisy Lúcidi. A artista estava internada no Hospital São Lucas, no Rio de Janeiro, desde o dia 25 de abril, após diagnóstico de coronavírus

Daisy fez sua estreia na TV em 1960, após começar carreira no elenco de atores da Rádio Globo. Durante 40 anos, comandou o programa Alô Daisy na Rádio Nacional. Participou de diversas novelas da Globo — sua última participação foi em Geração Brasil (2014). Ela também trilhou carreira política ao ser eleita vereadora e deputada estadual no Rio.

Realização no rádio

Daisy Lúcidi Mendes – o último sobrenome, herança do casamento de mais de 60 anos com o jornalista esportivo Luiz Mendes – nasceu no Rio de Janeiro, no dia 10 de agosto de 1929. Seus pais, Clarice Lopez e Quinto Lúcidi, eram de origem portuguesa e italiana, respectivamente. Foi acompanhando o pai, um ator amador, que ingressou no teatro aos 6 anos. 

Em 1941, integrou o elenco infantil da Rádio Tupi. Três anos depois, com a inauguração da Rádio Globo, Deisy foi contratada no primeiro elenco de atores para fazer rádio novelas na emissora. 

— Fui fazer parte do elenco da Rádio Globo, que começava com força total. Fizeram um grande elenco, porque a novela começava a aparecer — contou a atriz em depoimento ao Memória Globo.

Em 1953, passou a fazer parte do elenco de atores da Rádio Nacional, emissora onde comandou por 46 anos o programa Alô Daisy. Sua estreia na TV aconteceu em 1960, participando de uma minissérie dirigida por Janete Clair, na extinta TV Rio. Na Globo, sua primeira novela foi Homem Proibido (1967). Também autou em O Casarão (1976), Supermanoela (1974) e Bravo! (1975).

Na mesma época, a artista fez uma pausa na carreira de atriz ao ingressar na política, quando foi vereadora e deputada estadual durante 18 anos no Rio. 

— O rádio me dava embasamento para levar as coisas para política. Eu sabia o que estava acontecendo na cidade através do rádio. A comunidade vinha a mim e dizia — esclareceu a atriz.

Retorno à TV

Depois de 31 anos longe das telas, Daisy Lúcidi voltou à Globo no papel de uma síndica reacionária em Paraíso Tropical (2007). Mas foi como a cafetina Valentina, de Passione (2010), que reconquistou o público. 

Em 2013, fez uma participação na série Tapas & Beijos, e, em 2014, viveu a elegante Consuelo, em Babilônia. No ano seguinte, teve a participação estendida na novela Geração Brasil, seu último trabalho na emissora.

Aracy posa ao lado da diretora-geral Denise Saraceni (D) e de Lady Francisco e Daisy Lúcidi (E), em Geração Brasil.<!-- NICAID(10519480) -->
Daisy ao lado de Aracy Balabanian, Lady Francisco e a diretora-geral Denise Saraceni em "Geração Brasil"Foto: João Cotta / TV Globo/Divulgação


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros