Os Fagundes preparam quatro lives para julho - Entretenimento

Vers?o mobile

 
 

"Raízes do Sul"25/06/2020 | 09h56Atualizada em 25/06/2020 | 09h56

Os Fagundes preparam quatro lives para julho

Apresentações online marcarão a estreia do grupo gaúcho nas transmissões ao vivo

Pela primeira vez desde o início da pandemia de coronavírus, o grupo que é um dos símbolos da cultura gaúcha, Os Fagundes, fará uma live. E a ocasião é tão especial que Bagre, Neto, Ernesto e Paulinho não farão apenas uma apresentação, mas quatro. Os shows virtuais ocorrerão nos domingos de julho, sempre às 11h, no YouTube, no Instagram e no Facebook dos artistas.

Família Fagundes é homenageada na Mostra EliteDesign. Espaço é um projeto de Cláudio e Sadi Gioda. Na foto, Ernesto, Bagre, Neto e Paulinho.
Mesmo afastados do público, artistas querem manter proximidadeFoto: Lenara Petenuzzo / Divulgação

Nas transmissões ao vivo, batizadas de Raízes do Sul, Neto, Ernesto e Paulinho estarão juntos, no pátio da agência de publicidade que atende o grupo, sem aglomerações. Enquanto isso, Bagre entrará no show pela internet, de sua casa, no bairro Bom Fim, na Capital.

— Por ser do grupo de risco (Bagre tem 80 anos), não estamos encontrando o pai. Estamos muito felizes em fazer a primeira live dos Fagundes, com todos juntos, mesmo que seja virtualmente. Essa é a hora de preservar nossas raízes. Tudo que tiver raiz, para mim, será a sobrevivência em tempos de pandemia — afirma Ernesto.

Apoio local

Nos shows, a ideia dos músicos é que o público veja os Fagundes de maneira diferente e consiga descobrir como eles lidam com a música em casa, por exemplo.

— Vamos "tirar" o Paulinho um pouco da linha instrumental, eu trarei influências latino-americanas e traremos canções que fizeram a história do Neto nos festivais de música nativista. E o pai vai entrar com grandes histórias, contando quando ele conheceu o Lupicínio Rodrigues (1914–1974), por exemplo — explica Ernesto.

As quatro apresentações trarão grandes sucessos do cancioneiro gaúcho, como Origens, e o Canto Alegretense, composição de Bagre e Nico Fagundes (1934–2015). As lives terão apoiadores locais e doações para entidades assistenciais.

— A ideia é que todos estejamos juntos, investindo na nossa cultura, com apoiadores daqui. Será uma live do pátio de casa, para o público do Rio Grande do Sul, do Brasil e do mundo, pois a gauchada está em qualquer canto do mundo, e poderá matar a saudade da cultura daqui — finaliza Ernesto.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros