Pagode, fã clube e Kombi: conheça o Vai Q Cola - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Estrelas da Periferia08/06/2020 | 18h46Atualizada em 08/06/2020 | 18h46

Pagode, fã clube e Kombi: conheça o Vai Q Cola

Grupo da Capital tem pouco mais de um ano de estrada, mas já conta com admiradores fiéis, que fundaram um fã clube. 

Fundado em 2018 por integrantes da Lomba do Pinheiro, zona leste, da Vila Nova, na zona sul, ambos na Capital, e de Viamão, o grupo de pagode Vai Q Cola surgiu da união de amigos que já tinham experiências anteriores no samba e no pagode, e que promoviam rodas de samba semanais em seus bairros. Porém, para tentar ter um diferencial em um mercado competitivo, os músicos decidiram entre si que todos deveriam ter os mesmos propósitos, e que o grupo deveria ser pensado "enquanto uma empresa".

estrelas da periferia, grupo vai que cola.
Kombi de "estimação" foi comprada pelo vocalistaFoto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

- Nossa formação é nova, mas já passamos por muitas experiências nesse período, que não foi nada fácil. Mas também conquistamos, rapidamente, coisas boas. Temos um público fiel - afirma Iggor Rodriguinho (percussão geral). 

Por conta da fidelidade dos admiradores, o Vai Q Cola já tem um fã clube, coisa que artistas experientes demoram anos para conseguir. 

Conheça outras histórias de Estrelas da Periferia

Homenagem

Batizado de Meus Defeitos (uma homenagem a uma das canções do grupo, que leva este nome), o fã clube tem cerca de 15 integrantes e foi fundado na Lomba do Pinheiro.

- Somos um grupo independente , não temos apoio financeiro e nenhum tipo de patrocínio. Tudo o que temos e conquistamos, veio com nosso esforço. E ter um fã clube com pouco mais de um ano de banda é um presente - afirma Iggor.

Em 2019, com muito esforço, como eles gostam de ressaltar, o grupo gravou suas duas primeiras músicas autorais: Meus Defeitos e Sou de Você.  A primeira, aliás, foi um presente do compositor paulista Julius Barbosa.

Antes da pandemia, o grupo vinha conseguindo mostrar as faixas autorais e outras releituras de pagodes e sambas pela cidade. Para ir aos shows, o grupo ganhou uma espécie de mascote: a Kombi branca que está atrás dos integrantes da banda, na foto que ilustra essa reportagem. Para economizar nos deslocamentos para shows, Fabiano, vocalista da banda, vendeu seu carro e comprou o veículo.

- Ela tem um valor muito importante para nós. E o Fabiano, ao comprar a Kombi, nos ajudou muito - elogia Iggor.

Com a pandemia de coronavírus, a banda está parada, claro, mas os integrantes acreditam que as coisas irão melhorar.

- Estamos trabalhando do jeito que a gente pode, escrevendo músicas, fazendo lives. Tudo isso vai passar - diz Iggor.  

Ainda integram a banda Rafael (cavaco), Jeef (pandeiro) e Danilo (tam-tam).

Pitaco:

Emerston Tuty, do Pyração, fala sobre o som do Vai Q Cola:

- Os guris fazem um bom som, afinado, de qualidade. E a dica é, além de nunca desistir, sempre investir em músicas próprias, como eles estão fazendo. 

Aqui, o espaço é todo seu:

- Para participar da seção, mande um pequeno histórico da sua banda, dupla ou do seu trabalho solo, músicas e vídeos e um telefone de contato para jose.barros@diariogaucho.com.br.

- Para falar com a banda, ligue para 995552548.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros