Aproveite o confinamento para ler, relaxar e refletir  - Entretenimento

Versão mobile

 
 

92 Mais Mulher09/07/2020 | 10h24Atualizada em 09/07/2020 | 10h24

Aproveite o confinamento para ler, relaxar e refletir 

Comunicadoras do Grupo RBS dão dicas de livros inspiradores

Aproveite o confinamento para ler, relaxar e refletir  Daniela Xu/Agencia RBS
Foto: Daniela Xu / Agencia RBS
Mariane Araújo
Mariane Araújo

Cada um tem a sua maneira de encarar o isolamento social: alguns preferem se jogar no sofá para assistir a novelas, filmes ou séries, outros gostam de se arriscar em novas receitas na cozinha. Também há quem opte por uma boa leitura para passar o tempo. Você faz parte de qual time?

Foto: Divulgação

Quero compartilhar aqui a obra que estou lendo atualmente: Ansiedade — Como Enfrentar o Mal do Século (Saraiva, R$ 10,99*), de Augusto Cury. Leitura fácil e agradável para quem pretende entender mais sobre esse sentimento. Outra indicação é Aprendizados – Minha Caminhada para uma Vida com Mais Significado (Best Seller, R$ 29,90*), de Gisele Bündchen. A determinação e o otimismo da gaúcha servem como motivação para não deixarmos a "peteca cair". É uma autobiografia de peso, recheada com histórias de superação que impulsionaram a modelo a chegar ao patamar mais alto de sua profissão. 

Foto: Divulgação

Se você está precisando de inspiração, pode ter certeza de que é a escolha certa.

Convidei comunicadoras do Grupo RBS — Cris Silva, Kelly Matos, Shana Müller e Kelly Costa — para darem dicas de livros inspiradores. Assim, nossos dias em casa poderão ser aproveitados da melhor maneira possível: exercitando a leitura e adquirindo mais conhecimento.


Te liga nas dicas das gurias!

Cris Silva
Colunista do DG e comunicadora dos programas Conecte, Hora Mais e Domingão das Patroas, da 92 (92.1 FM)

Foto: Divulgação

"Estou lendo Frida – A Biografia (Biblioteca Azul, R$ 46,99*), da Hayden Herrera. Sempre gostei da Frida Kahlo (1907 – 1954), por ser uma pintora surrealista que, com a arte, retratava seus pensamentos e sofrimento. 

A mexicana conquistou o povo, que também se sentiu representado por meio do trabalho dela, sempre na busca pela identidade de quem somos. Além disso, sua imagem é muito representativa para o movimento feminista: Frida é símbolo de liberdade, uma pessoa que foi contra o modo de vida da época. É realmente uma mulher para olhar e se inspirar."

Shana Müller
Apresentadora do programa Galpão Crioulo, da RBS TV

"Meu livro preferido, neste período, é Travessia (Bertrand Brasil, R$ 40*), da Leticia Wierzchowski. Sou encantada por essa autora desde A Casa das Sete Mulheres (Bertrand Brasil, R$ 50*), que também já li, assim como Um Farol no Pampa (Bertrand Brasil, R$ 40*). 

Foto: Divulgação

Os títulos fazem parte de uma trilogia construída a partir da visão feminina sobre o período da Revolução Farroupilha (1835 – 1845), tão presente no imaginário gaúcho, mas tão apresentada sob a ótica masculina. Leticia acompanha os destinos das personagens também no pós-guerra. 

Em Travessia, a autora trata da história de Giuseppe (1807 – 1882) e Anita Garibaldi (1821 – 1849), da força dessa mulher que foi para a batalha por amor. Um romance histórico, podemos dizer assim, que traz fatos ao mesmo tempo em que retrata sentimentos, relações humanas e, sobretudo, o olhar feminino sobre esta terra."

Kelly Matos
Comunicadora dos programas Timeline e Gaúcha Mais, da Gaúcha (600 AM e 93.7 FM)

Foto: Divulgação

"Um dos livros que li, neste ano, e que recomendo para todas as minhas amigas se chama Pequeno Manual Antirracista (Companhia das Letras, R$ 17,40*), escrito pela filósofa negra Djamila Ribeiro. Não só recomendo como já dei de presente para as gurias. É fácil de ler, embora trate de um tema muito dolorido: o preconceito contra pessoas negras. 

E não apenas como um ato individual (quando alguém xinga ou ofende outra pessoa), mas como um sistema que persiste desde a escravização. 

Por causa desse sistema, as mulheres negras recebem salários menores, os brancos não entendem muitos privilégios que parecem 'automáticos', os adolescentes que mais morrem são os negros. A Djamila tem uma maneira muito didática (vale seguir o perfil dela no Instagram @dijamilaribeiro1): explica de forma simples como podemos entender o debate racial no Brasil e quais são as coisas que podemos fazer, sendo brancos ou negros, para ajudar a combater este tipo de discriminação."

Kelly Costa
Repórter e apresentadora dos programas Bom Dia Rio Grande e Globo Esporte RS, da RBS TV

Foto: Divulgação

"Diário de uma Ansiosa ou Como Parei de Me Sabotar (Galera, R$ 39*), de Beth Evans. Quem aí nunca se colocou para baixo algum dia na vida? Seja com pensamentos ou hábitos ruins? Minha dica é de uma leitura leve, fácil e bem-humorada, mas que traz uma reflexão importante sobre assuntos sérios: ansiedade e depressão. Vale a pena em tempos de isolamento social."


*Preço médio

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros