"Juma estaria pedindo socorro", diz atriz da novela "Pantanal" sobre as queimadas na região - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Patrimônio18/09/2020 | 08h20Atualizada em 18/09/2020 | 08h20

"Juma estaria pedindo socorro", diz atriz da novela "Pantanal" sobre as queimadas na região

Cristiana Oliveira usa as redes sociais para pedir ajuda e atenção para o bioma

"Juma estaria pedindo socorro", diz atriz da novela "Pantanal" sobre as queimadas na região Divulgação/Divulgação
Foto: Divulgação / Divulgação
GZH
GZH

Cristiana Oliveira, que interpretou Juma da novela Pantanal, em 1990, tem se manifestado sobre as queimadas que a região, cenário do folhetim, sofre nos últimos tempos. A atriz usa suas redes sociais para alertar o público da necessidade de ajuda e atenção que o local demanda, aproveitando a atenção que o remake da novela tem recebido.

Em entrevista ao jornal O Globo, Cristiana afirma que sua personagem estaria pedindo ajuda na situação que a região enfrenta hoje.

— Aquele lugar é um patrimônio mundial. Minha vida está particularmente ligada ao Pantanal por causa da novela, mas todos nós precisamos daquele ecossistema para respirar. E o que estamos vendo é o Pantanal sendo destruído pelo fogo. Por incêndios feitas pelo homem e que já devastaram 15% dessa nossa riqueza. A Juma estaria pedindo socorro, dizendo "ajuda nós", com aquele jeitinho dela — relatou a atriz. 

Cristiana ainda comenta que o local passou por mudanças notáveis desde que as gravações da novela foram feitas. Segundo ela, as queimadas estão acontecendo em um nível que excede o momento anterior. 

— Quando gravamos a novela, em 1990, num local a cerca de 100km da cidade de Aquidauana, no Mato Grosso do Sul, as queimadas já existiam, mas não tinham a proporção de hoje. Além disso, o Pantanal que eu conheci tinha períodos de seca e de chuva bem definidos, o que já não é mais a realidade.

A atriz, que considera ir até o Pantanal para ajudar, ainda reforça que o fogo teve início por conta da ação humana, e que as consequências podem ser desastrosas para o futuro. 

— As queimadas são obra de pessoas egoístas, que estão pensando só em dinheiro. É preciso puxar a consciência dos líderes para preservar o meio ambiente e combater o fogo na região, mas também dos cidadãos que provocam os incêndios. Não existe nem esquerda, nem direita. O que existe é o fato de que o mundo está perdendo um patrimônio natural fundamental. Que Pantanal vamos ter em 40 anos? É uma situação muito séria, que me dói o coração.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros