Guri de Uruguaiana lembra dos Natais de sua infância: "A mãe colocava na mesa a louça nova, pra impressionar os parentes" - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Só se fala noutra coisa!28/11/2020 | 10h00Atualizada em 28/11/2020 | 10h00

Guri de Uruguaiana lembra dos Natais de sua infância: "A mãe colocava na mesa a louça nova, pra impressionar os parentes"

Gaudério também convida para seu show especial de Natal

Guri de Uruguaiana lembra dos Natais de sua infância: "A mãe colocava na mesa a louça nova, pra impressionar os parentes" Artebiz/Divulgação
Lá em casa, Natal era dia de usar louça chique Foto: Artebiz / Divulgação

Chê! Falta menos de um mês para o Natal e, nesta época do ano, lembro da minha infância em Uruguaiana… Toda a parentada se reunia para passar o Natal lá em casa, e a mãe me obrigava a fazer a faxina. Eu me matava limpando a casa e deixava tudo um brinco! O pior é que, quando chegavam as visitas, a minha mãe sempre falava:

— Não repara na bagunça!

Que raiva! 

Para impressionar os parentes, a mãe colocava na mesa a louça nova, que ficava guardada na cristaleira! No resto do ano, a gente só usava copo de requeijão e aqueles garfos bagaceiros, que entortavam a cada fincada no bife.

Que falta de opção!

A gente era tão pobre que precisava esperar passar o Natal para comprar os panetones em liquidação.  

Na ceia, não tinha peru, não! Era galinha assada mesmo. E ainda tinha sorteio para ver quem comeria as coxas. Bah! Sempre dava briga! O pior é que sempre sobrava: aí, no outro dia, tinha galinhada, nos dias seguintes, frango frito, pastel de frango desfiado e por aí vai...

Correio Amoroso

Guri, o que preciso fazer para conquistar o coração de uma prenda? (Fernando Costa, de Caxias do Sul)

Chê! Para conquistar o amor de uma prenda, não basta ter um rostinho bonito. O vivente precisa demonstrar habilidades baguais.

Em primeiro lugar: é fundamental saber assar um churrasco. Mas não pode ser qualquer coisa: tem que ser bagual, com carne gorda, sal grosso... Nunca convide a guria para comer um assado de carne de bife.

Saber dançar um vanerão também é essencial. Além disso, o vivente precisa conhecer os ritmos gaudérios. Fazer um cursinho em um CTG é uma boa pedida: lá, o aluno começa com a dança do pezinho e vai evoluindo para vanera, vanerão, chamamé. Se souber dançar a chula, bah… Daí, a moça até te pede em casamento!

Outra coisa: prendas gaúchas adoram um bagual violeiro. Dedilhar uma milonga rancheira, ao pé do ouvido, deixa qualquer uma bem louca. Mas não vai tocar Legião Urbana, chê! Em vez de Faroeste Caboclo, pode declamar Bochincho, do Jayme Caetano Braun (1924 –1999). Esse, sim, é um poeta de fundamento!

Baita show

coluna guri de uruguaiana, 28 e 29 de novembro de 2020
Vai ser imperdível, chê!Foto: Artebiz / Divulgação

Chê! No dia 18 de dezembro, às 20h, vou fazer um show especial de Natal no Poa Drive-in Show, em Porto Alegre (Avenida Padre Cacique, 1365, próximo ao estádio Beira-Rio).

Um espetáculo completo, com banda, bailarinos de hip hop e coral infantil. Além disso, a apresentação vai contar com a presença do Papai Noel! Os ingressos estarão à venda no site poadriveinshow.com.br. 

Tirinha

Foto: Artebiz / Divulgação


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros