Michele Vaz Pradella: Novela com ou sem pandemia, eis a questão - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Noveleiros22/05/2021 | 10h00Atualizada em 22/05/2021 | 10h00

Michele Vaz Pradella: Novela com ou sem pandemia, eis a questão

Autor de "Salve-se Quem Puder" optou por deixar o vírus de fora da história

Michele Vaz Pradella: Novela com ou sem pandemia, eis a questão Danilo Togo / TV Globo/Divulgação/TV Globo/Divulgação
Sem pandemia, mas com distanciamento nas gravações da novela das sete Foto: Danilo Togo / TV Globo/Divulgação / TV Globo/Divulgação

Vivemos tempos difíceis com a pandemia de coronavírus. Apesar da situação, duas novelas voltaram aos estúdios ainda no ano passado, com o objetivo de serem finalizadas da melhor forma possível. Amor de Mãe foi ao ar entre março e abril de 2021, Salve-Se Quem Puder voltou com capítulos inéditos esta semana. Entre as duas, uma grande diferença: a trama de Manuela Dias abordou o caos provocado pela covid-19 no mundo, enquanto a história de Daniel Ortiz optou por deixar o vírus para a vida real, sem sequer citá-lo na ficção.

Qual foi a melhor alternativa? Difícil dizer, afinal, são novelas com temáticas diferentes. Amor de Mãe esbanjava realismo. Talvez por isso tenha sido natural a escolha por levar para a ficção o grande mal que assola a humanidade. Salve-se Quem Puder é uma comédia escrachada. Não há espaço para tristeza e, muito menos, para um espelhamento da realidade.

amor de mãe, Lurdes (Regina Casé) e Thelma (Adriana Esteves)<!-- NICAID(14789243) -->
Na trama das nove, cuidados dentro e fora de cenaFoto: TV Globo / Divulgação

A julgar pelos primeiros capítulos inéditos da trama das sete, é perceptível que o roteiro precisou se adequar às medidas de segurança. Atores mais velhos, como Otávio Augusto, 76 anos, foram afastados. O biso Inácio foi passar uns tempos com a irmã, em uma fazenda. O telespectador mais atento percebe um certo distanciamento entre os atores, cortes abruptos quando é preciso maior proximidade, já que, nos bastidores, estavam todos de máscara. O mais estranho foi o “beijo no acrílico” de Luna (Juliana Paiva) e Téo (Felipe Simas). Adequações necessárias para os novos tempos. Que a normalidade volte logo, na vida real e na ficção.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros