Michele Vaz Pradella: A cena que vale a pena ver e rever - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Noveleiros24/07/2021 | 10h00Atualizada em 24/07/2021 | 10h00

Michele Vaz Pradella: A cena que vale a pena ver e rever

Embate entre as irmãs Ana e Manuela foi o ponto alto de "A Vida da Gente"

Michele Vaz Pradella: A cena que vale a pena ver e rever TV Globo / Reprodução/Reprodução
Manu despejou toda a sua raiva Foto: TV Globo / Reprodução / Reprodução

Todo noveleiro que se preze tem aquelas cenas favoritas, guardadas no cantinho da memória e eternizadas no coração. Nesta semana, foi ao ar uma das sequências que, arrisco dizer, está entre as melhores da teledramaturgia recente: o embate entre as irmãs Ana (Fernanda Vasconcellos) e Manuela (Marjorie Estiano) em A Vida da Gente (2011), no ar em edição especial às 18h, na Globo. 

A trama é ímpar, repleta de momentos que nos fazem pensar e personagens que poderiam ser nossos conhecidos, amigos ou, quem sabe, nós mesmos. Com um texto genuinamente humano, Lícia Manzo toca fundo em questões familiares, amores nunca vividos e amizades profundas. 

Mágoas

a vida da gente, briga, ana e manuela<!-- NICAID(14842917) -->
Ana saiu ainda mais confusa da briga com a irmãFoto: TV Globo / Reprodução

A relação de Ana e Manu é complexa, uma montanha-russa de emoções que vão do amor incondicional ao ódio, passando por mágoas do passado, traições e angústias guardadas por uma vida inteira. Por tudo isso, a cena reprisada na terça-feira foi uma explosão de emoções dentro e fora da telinha. 

Sim, porque enquanto as duas irmãs colocavam na mesa, sem filtros, tudo o que nunca disseram uma à outra, do lado de cá, o telespectador acompanhava uma sequência memorável com olhos vidrados. Nas redes sociais, a repercussão da cena foi parar na lista dos assuntos mais comentados do dia.

Em relação ao enredo da novela, esse é um momento essencial para mudar os rumos da história. Ana e Manu começam a passar por cima de emoções represadas para, após o despejo de raiva, poderem reconstruir essa relação aos poucos, pedacinho por pedacinho, tal qual um castelo de cartas. Não é assim que acontece, no mundo real, na vida da gente?

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros