Guri de Uruguaiana: "Até os torcedores estão diferentes" - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Só se fala noutra coisa!04/09/2021 | 09h09Atualizada em 04/09/2021 | 09h09

Guri de Uruguaiana: "Até os torcedores estão diferentes"

Gaudério lista as diferenças entre os apreciadores de futebol de hoje e os de antigamente

Guri de Uruguaiana: "Até os torcedores estão diferentes" Fabrício Eckhard / Divulgação/Divulgação
Chê! Hoje em dia, está tudo mudado Foto: Fabrício Eckhard / Divulgação / Divulgação

Chê! Atualmente, está tudo mudado, até os torcedores de clubes de futebol. Acredita? Antigamente, os baguais eram mais cascudos. Hoje, são cheios de frescuras. Conhece as diferenças entre eles? Eu explico! 

Antigamente
/// Entravam na fila para comprar o ingresso, isso quando não compravam de cambistas na hora. Assistiam ao jogo da arquibancada de cimento, às vezes, até na chuva! 

/// Iam para o estádio de ônibus ou a pé mesmo. Ainda paravam nos bares para se emborrachar e usavam qualquer camiseta do time do coração.

/// Xingavam, falavam palavrões, pulavam, gritavam. Eles acreditavam no time sempre, mesmo sabendo que os jogadores estavam fazendo uma fiasqueira. 

Atualmente
/// Reservam o voucher do ingresso pela internet, porque são sócios-torcedores. Ficam sentados em cadeiras, debaixo da cobertura do estádio.

/// Vão para o estádio utilizando aplicativo de transporte. Eles só usam camisetas que são lançamentos do ano, com o patrocinador atual e mandam estampar seus nomes.  

/// Mal o time toma um gol, já ficam emburrados, reclamando do técnico no Twitter. Não falam um palavrão! Não xingam nem a mãe do juiz, acredita? 

Aquele abraço, leitor!

Quero mandar um baita abraço para um leitor muito especial, que se diverte, semanalmente, lendo os causos desta coluna: é o João Batista Pereira, avô da Julia Dornelles! Um baita quebra-costelas, seu João! Obrigado por prestigiar o DG.

guri de uruguaiana, coluna de 4 e 5 de setembro de 2021<!-- NICAID(14880311) -->
Voltarei ao Theatro São Pedro!Foto: Fabrício Eckhard / Divulgação

Baita novidade

Chê! Estou mais faceiro do que mosca em tampa de xarope! Depois de reabrir o Teatro AMRIGS (Avenida Ipiranga, 5.311), com nove espetáculos do Programa do Guri, chegou a vez de voltar ao templo sagrado da cultura gaúcha: o nosso querido Theatro São Pedro (Praça Marechal Deodoro, s/nº), justamente na Semana Farroupilha! 

Vou fazer dois shows especiais, com banda ao vivo, nos dias 19 e 20 de setembro, no Theatro São Pedro, seguindo todos os protocolos de segurança contra a covid-19. Os ingressos estarão disponíveis, a partir de segunda-feira, no site sympla.com.br

Correio amoroso

Guri, eu e o meu marido vivemos brigando. O que faço para mudar esta situação?
Maria Schmidt, de São Leopoldo.

Maria, isso me lembra aquela parábola japonesa, que um monge budista me contou há muito tempo. Um casal japonês estava discutindo. 

O homem gritou:
– Sukitaki!
A mulher respondeu:
– Kowanini.
O marido falou:
– Toka a anji rodi roumi yakoo!
A esposa suplicou:
– Mimi nakoundinda tinkouji.
O homem retrucou:
– Na miaou kina tim kouji.
E a mulher finalizou:
– O fiukha, makutamy ojiote.

Sabe qual é a moral da história, Maria? Eu também não sei, não entendo japonês. 

Tirinha

tirinha, guri de uruguaiana, coluna de 4 e 5 de setembro de 2021<!-- NICAID(14880313) -->
Foto: Artebiz / Divulgação


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros